Filme de hoje: A Volta do Monstro do Pântano (1989)

filmes_9489_TheReturnofSwampThing-008Imagine um filme tão trash, mas tão trash que algumas pessoas acham bom e ele acaba ganhando uma continuação (ou não). Imaginou? Pois bem. Agora imagine o Monstro do Pântano (personagem que nos quadrinhos da DC faz um sucesso até hoje), que ganhou uma adaptação meia-boca para o cinema em 1982 (que eu já comentei neste post) ganhando um segundo filme para a sua franquia. Interessante? Só que não. A não ser talvez o fato de que novamente Dick Durock deu vida ao personagem, só que desta vez com uma roupinha mais bem elaborada, dando a impressão de que o protagonista é um híbrido de planta e homem mesmo – não tão emborrachado como no filme anterior. Só que o filme caiu na direção de um desconhecido – que conseguiu fazer o filme ficar pior que o anterior.

Com uma história bem a la Cine Trash – embora esse filme chegasse a ser exibido uma única vez na Sessão da Tarde da Rede Globo (tem vídeo no Youtube comprovando isso) –  Nosso herói já começa o filme na porrada com uma espécie de homem-sanguessuga mutante que havia atacado alguns desavisados que resolveram transitar pelo pântano no meio da noite. Depois disso, começa o filme oficialmente, nos apresentando a mocinha da rodada, Abigail, que conversa com as plantas e resolve se mandar pro meio do nada tentar resolver sua relação com o padrasto – ninguém menos que o lesado Anton Arcane (ué, mas ele não tinha virado um javali mutante no filme anterior? Então, o cara voltou, em sua forma humana e mais afetado do que no outro filme), que, na sua busca por um soro que o rejuvenesça, só conseguiu criar mais criaturas mutantes, como um homem-barata, um homem-elefante e um homem-jacaré, só pra citar algumas.

Pois bem, para resumir, o Monstro do Pântano acaba por salvar a inocente (sabe de nada) Abigail de ser estuprada por dois caipiras que estavam de boas no pântano, e o que acontece a seguir… bem, podemos chamar de amor à primeira vista – por sinal, a cena de sexo entre os dois é bizarra (botanofilia?). Nela, o psicodelismo da experiência representado nas HQs é substituído pela mais comum cena de nudez e uma musiquinha transcendental cafona. Sem falar na conversa mole das preliminares que nem vou me dar ao trabalho de escrever aqui. Como se não bastasse, ainda temos a trama paralela dos dois garotinhos que querem a todo custo tirar uma foto do monstro para ganhar uma grana.

No fim das contas, o monstro vence o vilão, resgata a mocinha e acaba por usar seus poderes para curar Abby e nasce uma florzinha em seu pé. Romântico, não é? Impagável, porém, é a cara de desgosto – do tipo: Graças a Deus o filme acabou… – de Arcane ao morrer no incêndio de seu laboratório… Mas vamos lá, é Hollywood! Se você é curioso, assista por sua conta e risco – mas comparando os dois filmes gostei mais do anterior. Quem sabe um dia a Warner não invista nesse personagem e faça uma coisa decente? Só nos resta esperar pra ver…

Anúncios

Supergirl (1984) v Supergirl (2015)

16550233530_ee61a051ca_bPara quem pensa que Kal-El é o único sobrevivente do extinto planeta Krypton, tenho a dizer que vocês estão enganados. O Super-Homem tem uma prima. Nascida Kara Zor-El, ela foi enviada à terra com a missão de proteger o primo, mas por uma ironia do destino sua nave ficou em animação suspensa, e quando foi encontrada, o Homem de Aço já estava adulto e havia se revelado. Assim, ela decidiu tentar levar uma vida “normal” até que um acidente aéreo a obrigou a revelar seus poderes. Nascia então a Supermoça (nome da ninfeta em bom e velho português). Essa foi a origem contada na série de TV que por enquanto só tem uma temporada de 20 episódios, lançada em 2015 no canal CBS. Mas essa não é a única mídia em que a Garota de Aço foi encarnada. E depois de assistir à primeira tentativa de se criar um universo compartilhado da DC no cinema, em 1984, resolvi comparar as duas versões.

A primeira Supermoça (ou Supergirl, como preferirem) em carne e osso foi Helen Slater, em 1984. O filme, embora tenha o maior sex symbol dos quadrinhos americanos como personagem-título, foi rodado na Inglaterra, e foi uma tentativa de expandir o universo dos filmes do Superman com Cristopher Reeve, confirmada pela presença do ator Mark McClure, que reprisa seu papel de Jimmy Olsen no longa da loira de saia vermelha.

supergirl-helen-slater

Helen Slater (1984)

Infelizmente a mão pesada dos produtores Alexander e Ilya Salkind fadaram o filme da Supermoça ao fracasso (Assim como eles fizeram com Superman 3 e 4), então o filme ganhou ares de produção trash, com uma história mal elaborada, onde o nome do primo de Kara é citado uma ou duas vezes, e os furos no roteiro são gritantes. Vamos a eles:

Kara Zor-El ( Helen Slater ) vive em uma comunidade kryptoniana isolada chamado Argo City , em um espaço transdimensional. Um homem chamado Zoltar ( Peter O’Toole ) permite que  Kara veja um item exclusivo e imensamente poderoso conhecido como o Omegahedron, que ele tomou “emprestado”, sem o conhecimento do governo da cidade e que na verdade é a fonte de energia da cidade. No entanto, após um acidente, o Omegahedron é soprado para o espaço. Para a aflição de seus pais (Simon Ward e Mia Farrow ), Kara segue para a Terra (passando por uma transformação em “Supergirl” no processo – não me pergunte como, ela entra na nave com roupas kryptonianas e sai com seu traje de Supergirl) em um esforço para recuperá-lo e salvar a cidade.

Na Terra, o Omegahedron é recuperado por Selena ( Faye Dunaway ), uma aspirante a bruxa com fome de poder que tem como sua fiel assistente Bianca ( Brenda Vaccaro ), procurando libertar-se da sua relação com o bruxo Nigel ( Peter Cook ). Apesar de não saber exatamente o que é, Selena rapidamente percebe que o Omegahedron é poderoso e pode permitir-lhe realizar feitiços verdadeiros. Supergirl chega à Terra e descobre seus poderes. Seguindo o caminho do Omegahedron, ela resolve adotar um disfarce, com os cabelos pretos, adota o nome de Linda Lee, e identifica-se como sendo a prima de Clark Kent. Para dar mais veracidade Linda se matricula em uma escola só para meninas, onde ela faz amizade com Lucy Lane ( Maureen Teefy ), a irmã mais nova de Lois Lane , que acontece estuda lá. Logo de cara, Kara/Linda se encanta pelo zelador na escola, Ethan ( Hart Bochner). Ethan também chama a atenção de Selena, que droga ele com uma poção do amor (que vai fazê-lo se apaixonar pela a primeira pessoa que ele vir na frente – nossa que clichê!); no entanto, Ethan recupera a consciência, na ausência de Selena e vagueia pelas ruas. Uma Selena raivosa usa seus poderes recém-descobertos para “dar vida” a um veículo de construção que ela envia para trazer Ethan volta, causando o caos nas ruas. Com isso, a Supergirl entra em ação e resgata Ethan. Com isso, ele acaba se apaixonando por ela, ou melhor, por Linda Lee (a Supermoça já havia colocado sua peruca negra).

Supergirl e Selena batalham repetidamente, de várias maneiras, até que Selena usa seus poderes para colocar Supergirl em um “vazio eterno”, também conhecida como a Zona Fantasma . Aqui, sem seus poderes, Kara vagueia a paisagem desolada e quase se afoga em um pântano oleoso. No entanto, ela encontra seu velho amigo Zoltar, que se exilou na Zona Fantasma como um castigo por perder a Omegahedron. Zoltar sacrifica sua vida para permitir que Supergirl saia da Zona Fantasma – se existe uma entrada, então deve existir uma saída. De volta à Terra, Selena abusa do Omegahedron para se fazer um “rainha da Terra”, com Ethan como seu amante e companheiro . Emergindo da Zona Fantasma através de um espelho, Supergirl recupera seus poderes e confronta Selena, que usa o poder do Omegahedron para convocar um demônio da sombra gigantesco. O demônio domina Supergirl e está à beira de derrotá-la, quando ela ouve a voz de Zoltar exortando-a a lutar. Supergirl se liberta e descobre que a única maneira de derrotar Selena é fazendo o demônio da sombra se voltar contra ela. Supergirl  começa a voar em círculos em torno dela, prendendo-a em um turbilhão. Selena é atacada e incapacitada pelo monstro com o redemoinho que também acaba puxando Bianca. Os três são sugados de volta para o espelho, de onde a Supermoça saiu, e devem ficar presos lá dentro para sempre. Livre do feitiço de Selena, Ethan admite seu amor por Linda e que ele sabe que ela e Supergirl são a mesma pessoa, e diz mais: que sabe que é possível que ele pode nunca mais vê-la novamente, mas que ela deve salvar Argo City. A cena final mostra Kara levando de volta o Omegahedron a um Argo City escurecido, que prontamente se acende novamente.

O filme serviu apenas para a DC Comics matar a personagem durante a Crise nas Infinitas Terras (1985), que reformulou o Universo DC e desfez o conceito das “terras paralelas”, existindo apenas uma única Terra. Isso se deu pela impopularidade da personagem que retornaria somente muitos anos depois nas HQs, mas com uma outra história, mais próxima do que conhecemos do Homem de Aço.

Mesmo assim a atriz Helen Slater ficou conhecida pelos fãs e participou de outras duas séries ligadas a Krypton, a primeira foi em Smallville (2001-2010), onde ela faz o papel de Lara-El, a mãe do Super-Homem, em três episódios entre a sétima e a décima – e última – temporada. (Abrindo um parêntese, outros atores que participaram do Universo do Homem de Aço, como Dean Cain e até mesmo Cristopher Reeve, antes de sua morte, fizeram participações especiais em Smallville). E a segunda foi recentemente, em 2015, na série da própria Supergirl, onde Slater faz o papel da mãe adotiva da heroína – Eliza Danvers – em quatro episódios até o momento (um caso semelhante a John Wesley Shipp, que foi o Flash nos anos 90 e atualmente interpreta o pai do herói, conforme eu citei neste artigo).

28dcb385ce67bdf282f9126b4550bd8e

Laura Vandervoort

Antes de falar da Supermoça atual, preciso dar uma menção honrosa à segunda atriz a interpretar Kara em carne e osso – Laura Vandervoort – que deu vida à prima de Clark na série Smallville, por 23 episódios a partir da sétima temporada (2007), sendo personagem principal na sétima temporada e tendo participações especiais apenas nas temporadas 8 e 10. Mesmo assim vale citar porque o universo de Smallville é fantástico. Vandervoort também participou da série da Supergirl de 2015, dessa vez como a vilã Indigo (a.k.a Brainiac 8). Assim como Clark, a Kara desse universo não usava sua roupinha característica, mas sim aparecia em ação sempre com roupas casuais, mas nas cores azul e vermelha, (assim como seu primo fazia).

Muito bem, cinco anos depois do fim de Smallville, a Warner, vendo o sucesso de séries televisivas envolvendo outros personagens da casa (como Arrow e Flash), decidiu por incorporar a Garota de Aço no rol de personagens que poderiam ser investidos na TV (já que os “grandões” – Batman, Superman e Mulher Maravilha são de uso exclusivo do cinema). Contudo, decidiu-se por exibir a série em um canal diferente (a CBS, enquanto os outros heróis são exibidos na CW), mas o sucesso foi tamanho que a serie mudou de canal a partir de sua segunda temporada (o que provavelmente poderá ocasionar que se passe no mesmo universo de Arrow, Flash e Legends of Tomorrow, mas por ora isso é apenas uma hipótese). Sendo estrelada por Melissa Benoist (que já era conhecida pela série Glee – opa, já vi isso em algum lugar, né Grant Gustin?) , a série foi um sucesso imediato. Com as participações de Helen Slater – como eu mencionei acima e de Dean Cain, na pele do pai adotivo da heroína – o Dr. Jeremiah Danvers – a série nos mostra uma Supergirl com seus 25 anos, que trabalha na imprensa como uma tímida assistente da temida dona do local, Cat Grant.

ce5ad4gukaa858j-jpg-large-135670-1748x984

Melissa Benoist

Momentos antes da destruição de Krypton, a pequena Kara Zor-El é enviada à Terra por seus pais na missão de cuidar de Kal-El, seu primo ainda bebê. A nave da menina, entretanto, é atingida por uma onda de choque e lançada para dentro da sombria Zona Fantasma, uma prisão intergalática atemporal. Após um período adormecida, a cápsula de Kara deixa a Zona e alcança a Terra, onde a menina encontra Kal-El adulto e super-poderoso, agindo heroicamente como um defensor do planeta – o Super-Homem. Entregue por ele a uma família de cientistas, Kara é adotada e adota o sobrenome Danvers, e doze anos se passam até que ela decida revelar ao mundo compartilhar dos poderes e da natureza heroica do primo, impedindo um acidente aéreo e salvando a vida de centenas de pessoas, incluindo a irmã adotiva Alex. Ao lado dos amigos James (Jimmy Olsen – ex fotógrafo do Planeta Diário), Winn e do Departamento de Operações Extra-normais, do qual Alex é parte (sob a supervisão do marciano J’onn J’onzz, Kara se divide entre o trabalho árduo de assistente pessoal da personalidade da mídia Cat Grant, e a missão árdua de defender a humanidade de ameaças hostis, sob o manto de Supergirl.

Como até o momento a série só possui uma temporada, fica difícil mencionar os melhores episódios, mas posso citar, entre o combate de supervilões como a Curto-Circuito, Banshee Prateada e até o Tornado Vermelho, o melhor episódio, para mim, foi o episódio 18 (World’s Finest), que nada mais é do que um crossover com o Flash. Barry Allen, o Flash, descobriu que existe mais de uma Terra (o conceito das Terras Paralelas) e sem querer acaba caindo na Terra onde existe a Supergirl, então os dois unem forças para que Barry consiga voltar para a sua Terra. O episódio é excelente e nos deixou um gostinho de “quero mais”. O que pode acontecer com toda essa mudança de canal e “outras coisinhas mais” – Flashpoint vem aí?  Só o tempo dirá. Ainda não assisti a segunda temporada de Flash para afirmar mais alguma coisa…

Gente finalizo meu texto por aqui. Espero que tenham gostado!

Movie-and-TV-Supergirl-Actresses

 

Filme de hoje: Monstro do Pântano (1982)

st_movie3 Ele foi o segundo personagem da DC Comics a ser adaptado dos quadrinhos para o cinema, mas ao contrário de seu predecessor – o símbolo maior da DC, Super-Homem – não obteve o sucesso tão esperado. Embora as histórias em quadrinhos desse personagem vendam muito bem na DC até hoje, a tentativa de se adaptar sua história em live action foi um fracasso, que hoje só serve como item de colecionador. A ideia era boa, e o diretor do filme um dos mais competentes (Wes Craven, criador de Freddy Krueger, de Hora do Pesadelo; e da série Pânico), mas o que a gente vê são falhas nos efeitos, monstros de borracha e o final do filme mostra uma série de acontecimentos que NUNCA ocorreram nos quadrinhos, mas lá vai. O que vale é a intenção.

Talvez você já tenha assistido este filme no Cinema em Casa, do SBT ou Sessão da Tarde, sob o título “A Maldição do Pântano”, mas isso foi um erro da distribuidora para tentar lançar o filme por aqui como um tipo de horror trash. Doce engano. O que temos aqui é uma espécie de Incrível Hulk do Pântano. A história é bem simples: Nos pântanos da Louisiana , o Dr. Alec Holland trabalha com sua irmã Linda em um projeto ultra secreto do governo em bio-engenharia  para criar uma planta / animal híbrido capaz de prosperar em ambientes extremos . A agente do governo Alice Cable chega no exato dia em que Holland faz um grande avanço, e começa a desenvolver sentimentos por ele. No entanto, um grupo paramilitar liderado pelo malvado Dr. Anton Arcane, que está obcecado com a imortalidade, mata Linda ao tentar roubar a fórmula para seus próprios propósitos. Durante o ataque, Alice escapa e Alec é coberto pelos seus produtos químicos, sendo queimado vivo, e corre gritando no pântano, sendo dado como morto. No entanto, ele retorna como um monstro mutante híbrido entre planta e criatura. Como o Monstro do Pântano, Holland batalhas contra as forças de Arcane para proteger a agente Cable e, no final do filme, terá que enfrentar o próprio Arcane, que também sofreu mutação pela fórmula de Holland.

Pois bem, mesmo o filme sendo trash, serviu para alavancar ainda mais as vendas das histórias em quadrinhos do personagem, mesmo com todos os furos no roteiro, se você for curioso, vale a pena dar uma espiada.

The Flash (1990) vs. The Flash (2014)

2685429 Ele é conhecido no Universo DC como o Velocista Escarlate, e também como “O Homem Mais Rápido do Mundo” (acredito que ganha na supervelocidade até do Superman). E atualmente está fazendo um grande sucesso na televisão com uma série renomada (que criou um universo televisivo ao se interligar com a série Arrow – Arqueiro Verde, como é conhecido aqui no Brasil), sendo uma das melhores séries de super-herói do momento. É claro que eu estou falando do Flash.
Apesar de nos quadrinhos quatro pessoas terem usado o nome de The Flash – sendo que três delas usaram o tradicional uniforme vermelho (o Flash original, Jay Garrick, ou Joel Ciclone para os fãs mais nostálgicos usava uma roupa normal e um capacete característico); o mais conhecido dos Flashs é, sem dúvida o Flash II – Barry Allen (que é tio do Flash III – Wally West e avô do Flash IV – Bart Allen). Barry foi criado em 1956 e foi o pivô para a existência de universos paralelos na DC Comics, dividindo as eras dos quadrinhos em Era de Ouro e de Prata. Barry morre no evento “Crise nas Infinitas Terras“, que unificou o multiverso DC em um único universo; ficando afastado dos quadrinhos por quase 30 anos, e só voltou aos quadrinhos recentemente, com um novo reboot na DC – e novamente sendo o pivô do mesmo, ao voltar no tempo e mudar toda a história do Universo DC no arco Flashpoint – que resultou nos atuais Novos 52. Sendo Barry o mais conhecido dos Flashs, seria natural que a TV investisse num seriado dele (já que Batman e Superman estavam sendo usados – e ainda estão – no cinema, sendo focados em outro tipo de mercado).

John Wesley Shipp, que foi Barry Allen/Flash nos anos 90...

John Wesley Shipp, que foi Barry Allen/Flash nos anos 90…

Acabei de assistir a primeira temporada de Flash (2014), que por sinal é muito boa (a segunda temporada já está em exibição na TV – mais detalhes abaixo) e digo a vocês que esse personagem tem me cativado cada vez mais – a última série da DC que me prendeu tanto a atenção assim foi Smallville, mas depois da sétima temporada a série do jovem Superman só encheu linguiça – tive que esperar 10 anos para ver o protagonista em seu uniforme. Mas isso é outro assunto. A adrenalina que me causou cada episódio da série de 2014 me fez lembrar de uma outra (que eu assistia na TV Globo quando eu era criança), lançada em 1990 e que, mesmo sendo muito boa, só durou uma única temporada. Digo que comparar a série de 1990 com a série de 2014 é como comparar Lois &Clark (1993-1997) com Smallville (2001-2011). Afinal, são visões diferentes para o mesmo personagem. Mas assim como a última série do kryptoniano teve participações de atores e atrizes que de alguma forma estiveram envolvidos com o Superman; com Flash (2014) não é diferente! A começar com o ator John Wesley Shipp, que foi o ator a envergar o traje do Flash em 1990. No seriado de 2014, Shipp faz o papel do pai de Barry, Henry; preso injustamente por um crime que não cometeu. Outro ator que participou das duas produções foi Mark Hamill, o eterno Luke Skywalker, dessa vez como o mesmo personagem: o vilão Trapaceiro – inclusive no episódio em que Hamill participa em 2014 são exibidas fotos de Hammil no episódio em que ele participou em 90 – como sendo o Trapaceiro original. O que nos leva a crer que, embora a série de 90 seja completamente diferente da de 2014, não haveria problema em alguns atores reprisarem seus personagens.

... voltou em 2014, agora como o pai do Flash, Henry Allen.

… voltou em 2014, agora como o pai do Flash, Henry Allen.

As duas séries procuram se aproximar ao máximo dos quadrinhos, contando com a presença de vários inimigos clássicos do Flash. A diferença é que, enquanto na série de 90 Barry passa a maior parte dos episódios combatendo criminosos comuns, com a presença de apenas um ou dois vilões dos quadrinhos; em 2014 a história é outra: o acidente que deu poderes a Barry também foi o responsável por transformar criminosos comuns em “meta-humanos”. A origem do Flash porém, é parecida nas duas séries (a cena em que o raio atinge Barry no laboratório e o joga numa prateleira cheia de produtos químicos é idêntica nas duas versões): Barry Allen é um funcionário da polícia científica (CSI) de Central City, que após o acidente mencionado acima desenvolveu poderes de super velocidade.

Infelizmente a série dos anos 90 só durou uma temporada. Mesmo assim, vale a pena dar uma conferida, especialmente por conta de algumas curiosidades:

  • Nesta versão, Barry Allen tem um irmão chamado Jay (nome familiar?) que foi assassinado brutalmente por um ex-policial. Barry decide usar seus poderes para combater o crime inicialmente para vingar a morte do irmão (onde foi que eu vi isso mesmo? Com Grandes Poderes vem Grandes Responsabilidades, tal e coisa?). Bem, esse irmão do Barry só existe no seriado (bem como o seu assassino) e sua morte aconteceu no piloto, que tem uma hora e meia de duração e já foi exibido exaustivamente na Sessão da Tarde, na Globo e no saudoso Cinema em Casa, no SBT. Quanto ao pai e à mãe de Barry (Henry e Nora), os dois são vivos na série.
  • Barry tem como ajudante a Dra. Christina McGee, dos Laboratórios S.T.A.R. (os mesmos laboratórios famosos nos quadrinhos e na série de 2014). No Flash de 2014, “Tina”, como é mais conhecida, trabalha num laboratório concorrente, e é uma peça chave para a primeira temporada da série. Curiosamente Tina foi interpretada pela mesma atriz (Amanda Pays) nas duas versões.
  • O amor da vida de Barry Allen – Iris West – só aparece no piloto da série, sendo deixada de lado nos demais episódios. Parece que o interesse da Warner era juntar Barry com Tina McGee.
  • A trilha sonora da série dos anos 90 (especialmente a música da abertura) lembra vagamente os filmes do Batman de Tim Burton. Isso porque o responsável pelas músicas da série é ninguém menos que o lendário Danny Elfman, que também compôs a trilha sonora dos filmes do Morcegão mencionados acima.
  • Alguns episódios foram recortados e lançados posteriormente em VHS sob o formato de filme: The Flash (1990), o piloto da série; Flash II – A Vingança do Trapaceiro (1991), que compila num único filme os episódios 12 e 22 da série; e por último Flash III – Sombra da Noite (1991), compilado dos episódios 9 e 16, onde Flash faz um team-up com outro herói chamado Sombra (Nightshade, no original).
  • No episódio 07, Barry passa em frente a um cinema onde estão em cartaz os filmes do Batman (1989) e Superman (1978), dando a entender que essa série do Flash se passa em um universo diferente, onde os outros heróis da DC são personagens fictícios.
  • Apesar da supervelocidade do Flash, na maior parte do tempo ela não ajudava muito. Barry vivia sempre sendo pego por trás ou caindo em alguma armadilha. Esse foi um dos pontos negativos da série.
  • Outro ponto negativo é que, em todos os 22 episódios da série, em apenas três ou quatro aparecem vilões conhecidos dos quadrinhos (Trapaceiro, Mestre dos Espelhos e Capitão Frio – com origens diferentes da dos quadrinhos, mas tudo bem). Ainda assim, o único episódio em que Barry enfrenta um ser com poderes é aquele em que ele encontra um clone de si mesmo (que usa um traje azul – uma menção ao Flash Reverso?). Nos demais episódios, Barry está sempre combatendo criminosos comuns, que vão de cientistas loucos a psicopatas assassinos, passando por traficantes de drogas e armas e políticos corruptos.
  • O último episódio da série “O Julgamento do Trapaceiro” – termina em uma nota aberta, com Barry ainda vivendo sua vida dupla de policial/herói mascarado. A última cena aparece com o povo de Central City erguendo uma placa que diz  “cidade do Flash“, dando a entender que a série teria uma segunda temporada, que infelizmente não ocorreu.

Em contraponto com a série de 1990, o Flash voltou a aparecer na televisão no ano passado, como parte de uma proposta da Warner de criar um Universo Televisivo da DC, com heróis do “segundo escalão”, já que o primeiro escalão é exclusivo dos cinemas. Assim, em 2012 a Warner deu o primeiro passo com a série Arrow – a primeira série da DC após o final de Smallville. E foi num episódio duplo de Arrow da segunda temporada que nos foi apresentado o segundo super-herói desse universo compartilhado – Barry Allen (ainda sem sofrer o acidente que o transformou no Flash), um cientista forense que está investigando um caso e sem querer topa com Oliver Queen, o Arqueiro Verde – que mais tarde se tornaria um de seus melhores amigos.

Stephen Amell (esq.) deu vida ao Arqueiro Verde/ Oliver Queen na série Arrow. A primeira aparição de Barry Allen (Grant Gustin, da série Glee, à dir.) foi na segunda temporada de Arrow, antes dele se tornar o Flash.

Stephen Amell (esq.) deu vida ao Arqueiro Verde/ Oliver Queen na série Arrow. A primeira aparição de Barry Allen (Grant Gustin, da série Glee, à dir.) foi na segunda temporada de Arrow, antes dele se tornar o Flash.

Nesses dois episódios de Arrow (mais especificamente o 8 e 9 da segunda temporada) após ter visto sobre um roubo nas Indústrias Queen realizado por um homem com força sobre-humana, que é semelhante a um que ocorreu em Central City, Barry vai para Starling City (a cidade do Arqueiro), se oferecendo para ajudar Oliver Queen a resolver o caso. Enquanto investiga o caso, ele é auxiliado por Felicity Smoak, a assistente de Oliver, de quem Barry acaba ficando próximo e revela a ela ser um grande fã do Arqueiro. Oliver desconfia que Barry não esteja dizendo quem ele realmente é, e manda seu amigo e segurança, John Diggle, investigá-lo. Após receber as informações de que precisava, Oliver confronta Barry, obrigando-o a dizer quem ele realmente é, e Barry diz que é um assistente de laboratório da polícia científica, que está vendo o ocorrido como uma oportunidade para tentar provar a inocência de seu pai que foi preso por um crime que não cometeu e conta a eles sobre a noite em que sua mãe foi morta por um misterioso homem de roupa amarela. Ele recebe uma ligação do Departamento de Polícia de Central City, obrigando-o a retornar para a cidade. Ele se despede de Felicity e vai para a estação de trem, porém chega atrasado e acaba perdendo a viagem. De repente, ele é atingido por um dardo e desmaia. Ao acordar ele está dentro do esconderijo do Arqueiro, com Felicity diante dele pedindo para que salve Oliver, que foi envenenado. Barry consegue salvar Oliver e promete a ele não revelar o segredo dele. Depois de auxiliá-lo a encontrar e derrotar Cyrus Gold, Barry dá de presente para Oliver uma máscara para que ele use em suas missões como Arqueiro e retorna para Central City. No final do episódio, Barry acaba sendo atingido por um misterioso raio e desmaia. Nasceria ali o Flash!

Alguns meses depois da exibição desses episódios de Arrow (mais especificamente estreando simultaneamente à terceira temporada do Arqueiro), nos seria apresentada a série do Flash, onde nos são apresentados os personagens principais da série. Barry Allen (Grant Gustin) é o filho único de Henry (John Wesley Shipp) e Nora Allen e sofria bullying na escola. Certa noite, Barry, que estava dormindo, desce as escadas, indo em direção a sala e vê sua mãe envolta em um tipo de vórtex vermelho e amarelo. Por um momento, Barry vê um homem trajado de amarelo que, no momento em que seu pai aparece, o tira de dentro da casa deixando-o a quarteirões de distância. Mas o que o jovem Barry não sabia, é que dentro da casa estava tendo uma luta entre o Homem de Amarelo e sua própria versão futura. Assim que retorna a sua casa, Barry vê seu pai sendo levado pela polícia, acusado de ter matado Nora. Com o pai preso, Barry é adotado pelo detetive Joe West, pai da melhor amiga de Barry, Iris. Quando Barry começou a morar com os West, a relação entre ele e Joe não era amigável, devido ao garoto sentir falta de seu pai, mas com o tempo, Barry passou a ver Joe como seu segundo pai. Na escola, Barry era constantemente humilhado por Tony Woodward.

Na série de 2014, Candice Patton interpreta o amor da vida de Barry, Iris West.

Na série de 2014, Candice Patton interpreta o amor da vida de Barry, Iris West.

Quando adulto, Barry se torna um policial forense obcecado por fatos inexplicáveis, sendo taxado de esquisito pelos seus colegas de trabalho, além de sempre chegar atrasado nos seus compromissos, mas também é um grande amante da ciência, tanto que está empolgado para ver a ativação dos acelerador de partículas do Dr. Harrison Wells no Laboratórios STAR, que possibilitará um grande avanço nos estudos científicos.

Na noite do evento, Barry comenta com Iris sobre sua ida a Starling City e tenta revelar seus sentimentos a ela, porém a jovem o vê como um irmão (já que foram criados juntos). Durante a cerimônia de abertura, um ladrão rouba a bolsa de Iris, que tem o laptop que contém o seu trabalho de faculdade. Barry tenta correr atrás do ladrão, mas é atacado pelo mesmo, que é capturado logo em seguida pelo novo policial do departamento onde Barry trabalha, Eddie Thawne. Após o ladrão ser levado para a delegacia, Barry retorna para o seu apartamento. Logo que chega, o acelerador de partículas é ativado e abre um portal que libera vários raios em vários pontos da cidade, e um deles atinge Barry. Barry fica em coma por 9 meses, sendo transferido do hospital para a sede dos Laboratórios STAR em Central City, ficando sob os cuidados de Wells, que devido ao acidente ficou paralítico e de seus funcionários Caitlin Snow e Cisco Ramon. Durante o período de coma, Barry recebeu visitas de Iris e de Felicity Smoak, amiga de Oliver Queen que Barry conheceu em sua viagem a Starling City.

Barry desperta do coma e Wells lhe revela sobre o que aconteceu na noite do acidente. Após sair dos Laboratórios STAR, Barry visita Iris na cafeteria onde ela trabalha e depois vai para delegacia conversar com Joe. Seus novos poderes, que são velocidade sobre-humana, começam a se manifestar e com isso acontecendo, Barry retorna ao laboratório onde Wells inicia um teste para ver até qual velocidade Barry consegue, correr. Contudo, no momento do teste, Barry se lembra da noite em que sua mãe morreu e do homem de amarelo que viu dentro do vórtice e acaba tropeçando, caindo e quebrando o pulso. Mais tarde, após o seu pulso quebrado se regenerar em três horas, Barry vai visitar Iris novamente e descobre que ela está namorando com Eddie. Os dois, minutos mais tarde, caminham e conversam a respeito, com Iris pedindo para Barry não contar a Joe sobre o namoro. Enquanto conversam os dois quase são atropelados por um carro em alta velocidade, mas com sua super velocidade, Barry consegue salvar Iris e consegue ver que quem está dirigindo o carro é Clyde Mardon, um ladrão de bancos que supostamente havia morrido na noite do acidente envolvendo o acelerador de partículas. Barry o persegue e tenta enfrentá-lo, mas Clyde cria uma neblina ao redor deles, causando um acidente que mata um inocente. Após o ocorrido e Clyde fugir, Joe e Eddie chegam à cena do crime e Barry conta a Joe que Clyde está vivo e que tem a habilidade de controlar o tempo, mas Joe encara isso como sendo apenas uma maluquice do rapaz. Mais tarde, Barry retorna ao laboratório exigindo uma explicação de Wells para saber o que aconteceu na noite do acidente, Wells revela que o acelerador abriu uma fenda na realidade liberando energia teoricamente inexistentes e transformando humanos comuns em meta humanos. Barry pede a ajude de Wells e dos outros para deter Clyde, mas Wells nega, dizendo que Barry não é um herói, mas sim um jovem atingido por um raio. Frustrado com tudo que aconteceu, Barry vai até Starling City e conversa com Oliver Queen, contando a ele tudo o que aconteceu. Oliver diz a Barry que o raio não atingiu, mas sim que o escolheu, e que Barry poderia usar isso para se tornar um anjo da guarda para Central City, salvar pessoas em um flash, além de aconselhá-lo a usar uma máscara. Inspirado pelas palavras do amigo, Barry retorna a Central City e pede ajuda a Caitlyn e Cisco para deter Clyde. Os dois mostram a ele um uniforme de tecido resistente que seria usado pelos bombeiros, além de dar a Barry a localização de Clyde. Vestindo o uniforme, Barry chega na fazenda que pertence a Clyde e a seu falecido irmão, que acabou de atacar Joe e Eddie. Clyde cria um vórtex que está em direção à cidade e Barry tenta detê-lo, correndo no sentido oposto do tornado, mas não consegue. Wells o contata e diz que estava errado sobre Barry, e o motiva a prosseguir com o confronto. Barry corre novamente e consegue derrotar Clyde, que após o confronto aponta uma arma para Barry, mas antes que possa atirar, Clyde é morto por Joe. Após Barry contar tudo o que aconteceu, Joe passa a acreditar nele e a acreditar na inocência de Henry, e faz Barry prometer que não envolverá Iris nisso. Mais tarde, Barry visita seu pai na cadeia, dizendo que não vai desistir de tentar tirá-lo do lugar e que agora pode conseguir provas para achar quem matou sua mãe. Seguindo o conselho de Oliver, Barry se torna o Flash, o homem mais rápido do mundo.

Depois que se tornou o Flash, Barry passou por desafios que o fizeram amadurecer como herói, como enfrentar um inimigo à altura na forma do Capitão Frio, ter enfrentado o Tony Woodward, que se tornou o Viga, ter perdido seus poderes temporariamente após enfrentar o Blecaute e juntamente com o Arqueiro ter enfrentado o Ladrão de Arco-Íris e o Capitão Bumerangue. Contudo, o grande desafio de Barry veio quando o Homem de Amarelo que matou sua mãe retorna. Ele o persegue pelas ruas de Central City até irem parar em um estádio. Lá dentro, os dois se enfrentam, com o Homem de Amarelo apresentando não só vantagem na luta como também se mostrando muito mais rápido que o Barry. Enquanto Wells e Joe procuram uma forma de deter o Homem de Amarelo, Barry visita seu pai na prisão de Iron Heights e revela que encontrou o assassino de Nora. Henry então pede a Barry que não permita que o assassino tire mais do que já tirou deles e que Barry siga em frente. Motivado pelas palavras de seu pai, Barry revela a Iris o que realmente sente por ela. Mais tarde, Wells e a polícia de Central City conseguem emboscar o Homem de Amarelo, mas ele consegue escapar e surrar Wells quase até a morte e quase agride Joe. Barry, como Flash, intervém e os dois se enfrentam novamente, e assim como na primeira luta, o Homem de Amarelo apresenta maior habilidade e derrota Barry facilmente, e só não prossegue com a luta, pois Ronnie Raymond, o noivo de Caitlyn que supostamente havia morrido no dia do acidente envolvendo o acelerador de partículas, intervém na luta e salva Barry. Depois do ocorrido, Barry passa a treinar para se tornar tão ou mais rápido que o assassino de sua mãe.

Henry mais tarde descobriu que o Barry é o Flash, e se mostrou orgulhoso do trabalho que o filho vem realizando como herói, e Barry passou a se envolver romanticamente com Linda Park, colega de trabalho de Iris. Embora o relacionamento entre os dois esteja fluindo, Barry encontrou dificuldades para conseguir ficar perto dela, principalmente quando Ronnie, que é mais tarde revelado como sendo o Professor Martin Stein dentro do corpo de Ronnie, retorna. Após conseguirem convencer o Stein a ficar no STAR, Barry recebe uma ligação de Linda onde ela diz que quer terminar o namoro, pois descobriu que ele tinha sentimentos por Iris. Barry então vai falar com Iris, pois soube que foi ela quem contou para a Linda que ele tinha sentimentos por ela. Ele diz a ela que não quer que ela atrapalhe o namoro dele com Linda e que ele não tem mais sentimentos por ela. Logo depois, Barry procura Linda e eles reatam a relação.

Quanto Barry retorna ao STAR, descobre que Stein desapareceu. Wells chega à conclusão de Stein pretende se sacrificar já que a Matriz de Nuclear, a responsável por ter fundido ele e Ronnie, está se tornando estável e pode levar à uma explosão nuclear. Wells descobre uma forma de poder separá-los através do emissor de táquions, que ele havia roubado de Tina McGee (lembra dela?). Flash e Caitlyn vão até o local onde está Stein e dão a ele o emissor. Assim que ele coloca no peito uma explosão ocorre, no entanto, eles logo descobrem que o plano deu certo e que Ronnie e Martin agora estão separados.

Depois de levá-los para o STAR, Barry se encontra com o Joe, que o leva de volta à antiga casa dele. Lá ele revela que ele e Cisco descobriram que na noite em que Nora morreu havia outro velocista além do Homem de Amarelo (agora chamado de Flash Reverso), e esse velocista era o próprio Barry. Barry e Joe vão conversar com Wells a respeito da possibilidade de viagem no tempo e Wells explica que há duas teorias: ao voltar para o passado você se torna a causa do evento ou então você muda o passado e cria uma realidade alternativa. Logo depois, após a indicação de Cisco, Barry vai visitar Stein em sua casa, já que ele havia escrito 25 anos atrás um artigo científico sobre viagem temporal para Oxford. Stein explica a Barry que a viagem no tempo é possível, basta apenas conseguir achar uma brecha. Barry explica o seu interesse no assunto, pois soube que ele no futuro tentou voltar no tempo para salvar sua mãe. Stein se impressiona com o relato do rapaz e diz que isso é um efeito do super velocidade de Barry, permitindo a ele que em algum momento ele abra um buraco no continuum do espaço/tempo e consiga viajar ao passado. Mas Barry logo perde o entusiasmo pela ideia, ao perceber que mesmo que ele volte no tempo, ele não conseguirá salvar sua mãe.

Após o General Wade Eilling retornar, querendo a Matriz de Nuclear, Flash e Nuclear, dessa vez o próprio Ronnie com Stein em sua consciência, se unem para derrotar Eilling. Depois que o Nuclear parte de Central City para aprender mais sobre suas habilidade e para se esconder de Eilling, Barry revela a Joe que irá analisar as fotos coletadas por Cisco do confronto dele com o Flash Reverso na noite em que Nora morreu, como forma de saber aonde ele errou. Ele promete a Joe e a si mesmo que irá aprender a viajar no tempo e salvar sua mãe.

Semanas depois, Barry vai com Linda jogar boliche, onde acaba se encontrando com Iris e Eddie. Após jogarem algumas partidas, Barry, como o Flash, vai até o necrotério, pois recebeu um chamado de alerta de lá. Enquanto corre até o local, Barry vê o que parece ser ele mesmo. Ao chegar no necrotério, ele encontra o legista morto e descobre que ele foi morto por granizo. Logo, Barry e Joe descobrem que o autor do assassinato foi Mark Mardon, que sobreviveu à queda do avião e quer vingança pela morte de seu irmão, Clyde. Enquanto Cisco, trabalha em uma forma de deter Mark, Barry conta a Wells sobre ter visto a si próprio enquanto corria, e Wells diz que isso pode ser uma miragem de velocidade, uma imagem atrasada. Mais tarde, Barry e Joe são atacados por Mark, mas graças à velocidade de Barry, eles são salvos. Mas Mark volta a atacar Joe novamente e Barry, como o Flash, o salva utilizando o bastão de tempo inventado por Cisco, que impede Mark de utilizar seus poderes. Porém, mesmo tendo salvado Joe, o Capitão Singh acaba se ferindo no ataque. No hospital, Barry e Joe descobrem que Singh pode ficar paralítico. Joe se enfurece e decide ir atrás de Mark sozinho, pedindo para Barry cuidar da Iris. Procurando por ela, Barry primeiro vai ao local de trabalho da Iris, onde conhece Mason Bridge, que diz ter provas de que Wells matou Simon Stagg. Barry retorna para a casa de Joe onde encontra Iris e os dois conversam sobre Mason e sobre o relacionamente de Barry com Linda. Mais na tarde, na delegacia, ambos descobrem que Mark sequestrou Joe. Ele liga para Iris pedindo para ela aparecer na baía, e que se ela contar a polícia, Joe irá morrer. Barry acompanha Iris e logo os dois veem um tsunami se formar. Barry pede para Iris fugir de lá, mas ela se recusa e revela o amor que sente por ele e os dois se beijam (a cena mais emocionante da temporada). Após beijá-la, Barry liga para Caitlin para saber como impedir o tsunami, e ela diz que ele pode impedir se criar uma barreira de vento, porém nem ela sabe qual a velocidade que ele teria que atingir para poder fazer isso. Barry então revela a Iris que ele é o Flash e corre ao máximo para criar uma barreira de vento e impedir o tsunami de atingir Central City. De repente, um vórtex se abre e o Flash acaba voltando no tempo para o dia anterior, em que Mark retornou para Central City.

Devido a sua reação ao reviver os mesmo eventos, Wells logo descobre que Barry conseguiu voltar no tempo e pede para ele reviver tudo como da primeira vez, mas Barry ignora o pedido de Wells ao prender Mark antes que ele fizesse qualquer coisa, e assim alterando os eventos. Mais tarde, ao visitar Linda, ela termina o namoro com ele. Barry então declara seu amor novamente por Iris, mas ela não corresponde – visto que, com a mudança no tempo, Iris não percebera que também gosta de Barry. A ameaça de Mark é substituída pelo retorno do Capitão Frio, que sequestra Cisco e o obriga a revelar a identidade do Flash. Após impedi-lo de realizar um novo roubo, Barry faz um trato com Frio que consiste de ele não prendê-lo contanto que ele não ameace ninguém próximo a ele e nem mate mais ninguém. Mais tarde, ao conversar com Wells, Barry descobre que Mason Bridge desapareceu e começa a desconfiar de Wells, dizendo para Joe que as suspeitas que ele tinha a respeito de Wells podem estar certas. Eles decidem investigar, porém não há provas concretas que liguem Wells ao Flash Reverso.

Depois que o Trapaceiro (Mark Hammil, lembra dele?) consegue fugir da cadeia e ameaça os cidadãos de Central City durante uma festa de gala em homenagem à reeleição do prefeito, o Trapaceiro e seu filho, o segundo Trapaceiro, prendem uma bomba no pulso do Flash que irá explodir se ele não manter uma velocidade constante. O Flash corre e pede a ajuda de Cisco e de Caitlin. Wells intervém e diz para o Flash que ele pode se livrar da bomba se puder atravessar algum objeto sólido. Após Wells descrever detalhadamente como ele poderia fazer isso, o Flash se livra da bomba e consegue capturar os Trapaceiros, mas o fato de Wells ter descrito tão precisamente como ele poderia usar essa nova habilidade, fez com que ele confirmasse suas suspeitas não só de que Wells pode estar ligado ao assassinato de sua mãe como também ele pode ser o próprio assassino. Sendo que Iris começa a procurar pelo colega desaparecido, Mason Bridge, Joe e Barry decidem revelar a Eddie que ele é o Flash, a fim de ele poder ajudá-los a proteger Iris.

Após Joe e Cisco retornarem de Starling City, pois haviam ido lá para descobrir mais sobre o acidente em que a esposa de Wells, Tess Morgan havia morrido, Barry e o restante do grupo descobrem que de alguma forma o verdadeiro Harrison Wells morreu e a pessoa com quem eles tem interagido é um impostor. Barry, Cisco e Caitlin procuram por algo no STAR Labs que indique que o falso Wells esteja escondendo algo, até que eles conseguem achar um esconderijo secreto. Ao entrarem, eles não só encontram o traje do Flash Reverso, como também encontram um jornal, datado de 25 de abril de 2024, que revela que o Flash desapareceu em uma crise. Barry lê o jornal e se comunica com Gideon, uma Inteligência Artificial criada por ele e descobre que no futuro ele será o Chefe da Divisão de Perícia e casado com Iris, bem como descobre que a noite em que o Flash desapareceu foi na noite em que ocorreu uma batalha entre ele e o Flash Reverso. Questionando Gideon sobre o objetivo de Wells, ela revela que o objetivo dele era matá-lo, mas como não conseguiu, matou Nora e criou o Flash. No ano de 2024, o Flash enfrentou o Flash Reverso nas ruas de Central City e os dois desapareceram em um vórtice de luz. Esse vórtice os trouxe para o ano de 2000, onde o Flash Reverso invadiu a casa da família de Barry com o objetivo de matar o jovem Barry. Os dois se enfrentaram na sala de estar, com Nora no meio deles e com o jovem Barry acompanhando tudo. Flash consegue salvar sua versão jovem, mas Flash Reverso mata Nora.

Barry conta a Joe sobre o ocorrido e Cisco menciona sobre os sonhos que ele teve de ter descoberto que Wells era o Flash Reverso e era morto por ele em seguida. Barry deduz que esses sonhos podem ser memórias da antiga linha temporal, a qual Barry alterou por ter impedido Mark Mardon mais cedo. Com o auxílio de um dispositivo que auxilia ao indivíduo a entrar e explorar seu sonho, Cisco se lembra do que houve, com Wells revelando ser Eobard Thawne, um homem que veio do futuro e que estava na casa de Barry naquela noite para matá-lo, mas acidentalmente matou a mãe dele.

Tom Cavanagh é o grande vilão da primeira temporada: Harrison Wells/ Flash Reverso

Tom Cavanagh é o grande vilão da primeira temporada: Harrison Wells/ Flash Reverso

Eles decidem armar um plano para conseguir prender Wells e arrancar a confissão dele, assim podendo inocentar o pai de Barry. Quando Cisco o confronta, como parte do plano, Wells não confessa e tenta atacar Cisco. Joe intervém atirando em Eobard que cai morto no chão, mas logo eles descobrem que quem morreu foi Hannibal Bates, um meta-humano capaz de se transformar em outras pessoas que eles haviam prendido recentemente. Wells se comunica com eles revelando que sabia que eles o haviam o descoberto o tempo todo. Barry o chama para um confronto, mas Wells se recusa, dizendo que eles irão se enfrentar logo. Cisco consegue rastrear Wells e descobre que ele está no esconderijo dele. Barry vai até lá, mas Eobard já foi embora. Ele logo descobre que Wells os esteve vigiando o tempo, tendo colocado câmeras em todos os lugares da cidade, incluindo no local de trabalho de Iris. Barry deduz que Iris é o próximo alvo de Eobard e vai atrás dela. Quando ele a encontra, Wells sequestra Eddie. Flash acalma Iris, promentendo que irá encontrar Eddie. Quando ele solta a mão dela, uma pequena faísca é liberada da mão dele. Tendo visto isto quando ele esteve em coma após ser atingido pelo raio, Iris descobre que Barry é o Flash. (tá não foi tão legal como na primeira vez que Barry revelou a identidade secreta, teve beijinho e pá, mas valeu a tentativa).

Barry passa a procurar por Eddie, mas não encontra nenhum sinal dele nem de Wells. Enquanto isso, Iris o confronta por ele ter escondido a verdade dela e um novo assaltante surge. Após deter esse assaltante, eles descobrem que ele é o General Eilling, e também descobrem que ele está sendo controlado mentalmente pelo gorila Grodd, resultado de experiências feitas por Eilling e Wells. Barry, Joe e Cisco vão até o esgoto procurar por Grodd, na esperança de poder encontrar Wells e Eddie, mas Grodd derrota Barry usando seus poderes e sequestra Joe. Mais tarde, usando um capacete especial para se proteger dos ataques psíquicos de Grodd, Flash consegue enfrentá-lo e resgata Joe, que deduziu que Grodd foi usado apenas como distração. A busca por Eddie continua sem sucesso, o que deixa Iris preocupada, mas Barry promete a ela que arranjará uma forma de encontrá-lo. Cisco mostra a Barry que descobriu que Wells tinha na cadeira de rodas um dispositivo que o fazia acumular energia, sendo essa a razão de ele ser mais rápido que Barry. A presença de Wells é logo notada quando ele reativa o acelerador de partículas.

Após tentar capturá-lo e após Eddie ser encontrado, Barry, tendo como objetivo levar os meta-humanos para Lian Yu, a prisão da ARGUS vista em Arrow, tenta procurar ajuda para tirar os meta-humanos que foram capturados e movê-los para a ilha, pois se eles estiverem dentro do acelerador de partículas eles morrerão. Não tendo conseguido contatar nem Oliver, nem Ronnie ou Martin, Barry decide recorrer a Leonard Snart, o Capitão Frio, que aceita ajudar Barry na condição de que ele limpe todos os registros de crimes cometidos por Leonard. Barry o faz e Leonard o auxilia a remover os meta-humanos, porém ele os liberta e, após derrotarem o Flash, fogem.

Mais tarde, Wells retorna ao STAR Labs, e Barry parte para um novo confronto, mas dessa vez com a ajuda do Arqueiro Verde e do Nuclear, que chegaram bem no momento do início da luta. Com a ajuda deles, Barry consegue derrotar Wells. Após isso, ele conversa com ele, perguntando qual a razão de ele ter matado Nora. Wells responde dizendo que é porque ele odeia o Flash do futuro, que ambos são grandes inimigos, mas que nenhum teve a força para destruir o outro, até que Eobard descobriu a identidade do Flash e resolveu voltar no tempo para matar o Barry jovem. No entanto, o Flash do futuro o seguiu e eles se enfrentaram. Durante a luta, o Flash do futuro conseguiu salvar o jovem Barry. Tendo fracassado, Eobard percebeu que já que não poderia matar o seu rival, então poderia causar um trauma, sendo assim ele matou Nora. Porém por ter voltado ao passado, ele acabou cortando o laço com a Força de Aceleração, ficando preso no passado, sendo sua única alternativa de voltar ao futuro criar o Flash (e por isso ele o ajudara esse tempo todo).

Wells propõe a Barry que o permita voltar para o tempo dele, enquanto que Barry possa retornar para a noite em que Nora foi morta e impedir Eobard de matá-la. Barry fica pensativo sobre a proposta e, após comunicá-la a Martin Stein, Martin diz que a realidade em que eles vivem já é uma realidade alternativa devido às ações cometidas pelo Flash Reverso, e se Barry impedir a morte de Nora, todo o futuro será alterado e não há como saber se esse futuro será bom ou ruim. Joe diz que Barry deve voltar no tempo, mas Henry, o pai de Barry, discorda. Iris diz a Barry que ele deve tentar fazer isso, e então ele procura Wells para saber como seria possível. Wells explica que Barry deverá correr rápido enquanto que o Acelerador de Partículas é reativado, e assim que ele se chocar com a partícula lançada pelo Acelerador, um buraco de minhoca será aberto, permitindo-o voltar para a noite da morte de Nora enquanto que Eobard possa voltar para o tempo dele. Contudo, se Barry não atingir a velocidade certa, ele morrerá. Detalhe: Barry só teria 1 minuto e 52 segundos (52 é o número favorito da DC) para voltar ao passado, impedir a morte de Nora e voltar ao presente. Após conversar com os seus amigos, que descobrem que se Barry não voltar a tempo o buraco de minhoca criará um buraco negro, ele decide fazer o processo. Enquanto corre dentro do Acelerador de Partículas, Barry se conecta com a Força de Aceleração e consegue ver o seu passado e acontecimentos futuros, como Caitlin se tornando a Nevasca, o Museu do Flash e ele acompanhado da Liga da Justiça, bem como os heróis de Legends of Tomorrow (futura série da DC que se passa no mesmo universo de Arrow e Flash). Ao se chocar com a partícula, o buraco de minhoca é aberto e Barry vai para a noite em que sua mãe foi morta. Ele observa a luta entre o ele do futuro e o Flash Reverso do passado, já que o plano é impedir o assassinato de Nora após o Flash do futuro salvar o jovem Barry. O Flash aguarda, até que sua versão futura (que está usando um uniforme com cores mais vivas) o vê, e dá sinal para que ele não interfira. O Flash do futuro salva o jovem Barry e o Flash Reverso ataca Nora com uma faca. Flash caminha até ela, e depois retira a sua máscara, revelando ser o Barry, e diz a ela que ele e Henry ficarão bem. Ele permanece ao lado dela até que ela morre diante dele (Suor masculino escorreu pelos meus olhos ao ver essa cena). 

Flash retorna para o presente e impede Wells de voltar para o tempo dele, quebrando sua cápsula do tempo. Os dois se enfrentam e Wells se mostra vantajoso, chegando perto de matar Barry, mas só não o faz porque Eddie (sendo antepassado de Eobard) se suicida. Wells reverte para a sua aparência de Eobard e é apagado da existência (para entender melhor leia meu artigo anterior – De Volta Para o Futuro, ou veja os filmes), enquanto que Eddie morre nos braços de Iris. Com a morte de Eddie o fluxo temporal entra em colapso, criando um buraco negro que começa a se expandir cada vez mais e pode sugar todo o universo. Flash entra no buraco negro na esperança de conseguir fechá-lo. O episódio final da temporada acaba aí, nos deixando com aquela expectativa de “quero mais”… Não sei o que acontece a partir daí. A Segunda Temporada está em exibição na TV, mas eu ainda não assisti. Assim que ela estiver completa postarei aqui no Blog para apreciação. Se você não assistiu, assista! Flash é uma das melhores séries de herói em exibição no momento.

Diferenças entre o Barry Allen do Universo Televisivo da DC Comics e o Barry Allen dos quadrinhos

  • Nos quadrinhos Barry é loiro, mas na série tem cabelo castanho.
  • Nos quadrinhos, ao menos na versão dos Novos 52, o personagem tem entre 25 e 30 anos. Na série, Barry tem 25 anos de idade.
  • Apesar de a forma como o personagem obteve os poderes ser muito fiel ao material fonte, nos quadrinhos não foi o acelerador de partículas que fez Barry se tornar o Flash, mas sim um raio que o atingiu e o lançou contra frascos de produtos químicos (nessa parte a série de 1990 foi mais fiel).
  • Após a morte de sua mãe, Barry não foi criado por Joe West, como mostrado na série, mas sim pelo Capitão Frye, que, ao menos na versão dos Novos 52, era amigo de Nora, e também seu amante.
  • Barry só conheceria Iris quando adulto. Nos quadrinhos eles conhecem quando Iris entrevista Barry acerca de um assassinato que ele estava investigando. Nos Novos 52, eles se conheceram em Gotham, durante o evento conhecido como Ano Zero, o qual marcou o surgimento do Batman na cidade.
  • Na série, Barry namorou Linda Park, mas nos quadrinhos, pelo menos antes dos Novos 52, ela namorou e se casou com Wally West, sobrinho de Iris nos quadrinhos e sucessor de Barry como Flash.
  • Barry utiliza barras energéticas para não se esgotar enquanto utiliza seus poderes. Nos quadrinhos, era Wally quem utilizava essas barras energéticas.
  • O uniforme na série possui pequenas semelhanças com o uniforme dos Novos 52, porém é diferente tanto da versão Novos 52, quanto da versão clássica. Na versão clássica, o uniforme é vermelho escarlate e feito de um tecido flexível e resistente a atrito, nos Novos 52, a cor é a mesma, mas o uniforme é uma armadura com alguns detalhes desenhados em forma de raios, porém, a partir da edição 41 de The Flash (de junho de 2015), o herói passa a usar um uniforme mais semelhante ao usado por Grant Gustin na série. Na série, o uniforme é de um tecido resistente a atrito, se assemelhando a um tecido de couro, e também possuem alguns detalhes desenhados em forma de raios, contudo a cor é vermelho vinho. Apesar dessa mudança, já foi explicado pelos produtores que o uniforme na série é apenas um protótipo e que, aos poucos, Barry terá um uniforme mais semelhante ao dos quadrinhos.
  • Nos quadrinhos, principalmente na versão dos Novos 52, quando não está sendo o Flash, Barry costuma passar a maior parte do tempo no trabalho ou em casa. Na série, ele costuma sair com os amigos.
  • Nos quadrinhos, Barry possui um relacionamento conturbado com o seu pai, enquanto que na série a relação deles é boa.
  • Barry e Oliver são grandes amigos na série, Barry deu uma máscara para Oliver, a qual o personagem passou a usar como parte de seu uniforme de Arqueiro (como visto no episódio 2.09 de Arrow, “The Three Ghosts”), e Oliver aconselhou Barry quando este não sabia o que fazer com todo duvidando dele (como visto no episódio 1.01, Pilot). Nos quadrinhos, por outro lado, os dois se detestavam, chegando a diversas vezes brigarem, geralmente por terem pontos de vistas políticos opostos ou por terem modos diferentes de agir, e a única coisa que tinham em comum, além do fato de serem herói e membros da Liga da Justiça, era o fato de terem Hal Jordan como melhor amigo. Na série, os dois chegaram a discutir por um não concordar com o modo de agir do outro, como visto no episódio 1.08 “Flash vs Arrow” de The Flash e no episódio 3.08 “The Brave and the Bold” de Arrow.
  • Nos quadrinhos, Iris descobriu que Barry era o Flash depois de casada com ele, e isso ocorreu duas vezes. Na primeira foi durante a lua de mel deles, onde enquanto Barry estava sonhando, ele disse em voz alta que era o Flash. A outra ocasião foi nos Novos 52, em The Flash Annual #3, em um futuro alternativo, Iris e Wally sofreram um acidente de carro que causa a morte de Wally e deixa Iris paraplégica. Quinze anos após o acidente, Barry revela a ela que é o Flash. Já na série, Iris descobre duas vezes também. A primeira foi no episódio 1.15 “Out of Time”, onde após Mark Mardon lançar um tsunami em direção de Central City, Barry e Iris declaram o amor que sentem um pelo outro e Barry revela que é o Flash. A outra ocasião é no episódio 1.20 “The Trap”, onde Iris ao tocar o Flash sente um choque, e isso havia ocorrido quando ela havia tocado a mão de Barry enquanto ele estava em coma.

Já estava para terminar a postagem quando me lembrei que brevemente vamos ter um filme do Flash nos cinemas, que se interligará com o Universo Cinematográfico da DC (iniciado com Homem de Aço). Infelizmente não terá ligação com a série e o Flash será interpretado pelo ator Ezra Miller. Há rumores de que Ezra fará uma ponta como Flash já em Batman vs Superman, que estreará em março do ano que vem. Mas só nos resta aguardar pra ver…

Batman nos cinemas – 2ª parte

Christian Bale usando o traje do Batman.

Christian Bale usando o traje do Batman.

Nota: Se você quiser ler a primeira parte deste artigo, clique neste link.

Conforme você leu no artigo anterior (link acima), os anos 90 foram cheios de altos e baixos para a franquia do Morcegão. Senão vejamos: dois “super-acertos”, dirigidos por Tim Burton, um filme “meia-boca” e um completo fiasco. Considerando este último, a Warner decidiu por reiniciar toda a franquia do zero, baseando a história na origem e primeiros anos de “carreira” do Batman. O resultado foi o surgimento de uma nova franquia, dirigido pelo mestre Christopher Nolan. Depois de uma série de projetos sem sucesso para reviver Batman na tela grande após o fracasso de Batman & Robin em 1997, Nolan e David S. Goyer começaram a trabalhar no primeiro filme em 2003, querendo um tom mais realista e sombrio, com humanidade e realismo sendo a base da história. O objetivo era fazer o público se importar com Bruce Wayne e Batman. O filme, que foi filmado principalmente na Inglaterra e em Chicago, contou com proezas tradicionais e miniaturas, computação gráfica foi usada ao mínimo. Um novo batmóvel, chamado de Tumbler, e uma bat-roupa mais móvel foram criadas especificamente para o filme.  Nolan tenta mostrar um universo “mais realista”, nada de superpoderes nem nada do gênero. Apenas “pessoas normais” que fazem coisas que ninguém imagina. E sim, os criminosos ainda são supersticiosos e covardes. A “trilogia Nolan”, pode ser resumida em três fases: Nascimento, Morte e Ressurreição.

Não se iluda gente: apesar de ser um filme da franquia do Batman, NÃO É PARA CRIANÇAS!!! A franquia é totalmente direcionada para o público adulto do Morcegão. Confesso que não gosto de reboots, mas tenho que dar o braço a torcer para Nolan. Não chega a ser assim um Tim Burton, então coloco Nolan em segundo lugar nos melhores filmes do Homem-Morcego.

Um fato curioso é que, se Michael Keaton é o ator mais velho a encarnar o morcego (tinha 38 anos em 1989); Christian Bale (o novo protagonista desta série) pode ser considerado o caçulinha, pois tinha apenas 31 aninhos na época do lançamento do primeiro filme dessa nova franquia.

Mas detalhemos os filmes um a um:

Batman_Begins_poster4

Batman Begins (2005): O filme apresenta o começo da história, apresentando todos os personagens, com um elenco memorável na pele de cada um deles. Vai vendo: Um jovem Bruce Wayne cai em um poço e é atacado por morcegos. Bruce (Christian Bale) acorda de um pesadelo sobre seu passado e descobre que é prisioneiro no Butão. Ele é apresentado a Henri Ducard (Liam Neeson), que fala por Ra’s Al Ghul, líder da Liga das Sombras, e o convida para ser treinado pela elite de vigilantes. A narrativa retorna a infância de Bruce, para noite quando seus pais são assassinados por Joe Chill. Chill é preso e Bruce é levado para casa onde é criado pelo mordomo de sua família, Alfred Pennyworth (Michael Caine).

Christian Bale faz o papel do bilionário Bruce Wayne e seu alter ego, o Morcegão.

Christian Bale faz o papel do bilionário Bruce Wayne e seu alter ego, o Morcegão.

Liam Neeson interpreta o principal antagonista deste primeiro filme.

Liam Neeson interpreta o principal antagonista deste primeiro filme.

Michael Caine é o fiel mordomo do Batman, Alfred.

Michael Caine é o fiel mordomo do Batman, Alfred.

Anos depois, Bruce retorna a Gotham da Universidade de Princeton, com a intenção de matar Chill, cuja sentença está sendo revogada para que ele testemunhe contra o chefe da máfia Carmine Falcone. Antes que ele faça algo, um dos assassinos de Falcone mata Chill. Rachel Dawes (Katie Holmes), amiga de infância de Bruce e agora assistente do promotor público, fica nervosa pela intenção de Bruce, dizendo a ele que seu pai teria vergonha. Naquela noite Bruce confronta Falcone, que diz que seu império é invencível por causa do medo. Inspirado, Bruce decide viajar pelo mundo, aprendendo sobre o mundo do crime, isso antes que ele mesmo fosse preso por ser um criminoso. Depois do treinamento de Bruce com a Liga das Sombras, Ra’s e Ducard contam a ele seu propósito: Liderar a Liga em Gotham para destrui-la, já que ela se tornou corrupta demais para ser salva. Ele recusa ser um assassino e luta com Ra’s, queimando o templo e fugindo. Ra’s é morto, porém Bruce salva Ducard e retorna para Gotham.

Katie Holmes faz o papel da jovem Rachel, amiga de infância de Bruce.

Katie Holmes faz o papel da jovem Rachel, amiga de infância de Bruce.

Falcone agora domina a cidade. Bruce pede ajuda ao Sargento James Gordon (Gary Oldman), um dos poucos policiais honestos de Gotham, e se torna amigo de Lucius Fox (Morgan Freeman), antigo membro da diretoria da Wayne Enterprises. Fox ajuda Bruce a adquirir um carro blindado e um protótipo de roupa blindada. Junto de Alfred, ele acha outra entrada para as cavernas debaixo do poço e cria um tipo de oficina para trabalhar, modificando seu equipamento para se tornar o Batman. Na sua primeira noite como vigilante, ele intercepta um carregamento de drogas, e captura Falcone, dando a Rachel evidencias para incriminá-lo.

Gary Olman encarna o policial Jim Gordon.

Gary Olman encarna o policial Jim Gordon.

 

Morgan Freeman é Lucius Fox.

Morgan Freeman é Lucius Fox.

Falcone e seus homens são enviados para o Asilo Arkham com a ajuda do administrador corrupto do hospital, Dr. Jonathan Crane (Cillian Murphy), que estava pagando Falcone para que ele importasse um alucinógeno para dentro de Gotham. Crane usa essa droga em seus experimentos, aplicando-a em seus pacientes como cobaias. Quando Falcone exige um lucro maior, Crane aplica a droga nele, deixando ele literalmente insano. Enquanto investiga as drogas, Batman encontra Crane, que aplica a toxina do medo nele. Alfred salva o Batman, usando uma antitoxina formulada por Fox. Crane atrai Rachel para Arkham e mostra a ela que a toxina estava sendo liberada nas águas de Gotham por semanas, e também a infecta. Batman aplica a droga em Crane e salva Rachel a, levando-a para sua caverna e aplicando a antitoxina nela e da a ela dois frascos com a antitoxina, um para Gordon e o outro para ser produzido em massa.

Cillian Murphy faz o papel do corrupto Dr. Jonathan Crane (ou melhor, o Espantalho), o vilão secundário deste primeiro longa.

Cillian Murphy faz o papel do corrupto Dr. Jonathan Crane (ou melhor, o Espantalho), o vilão secundário deste primeiro longa.

No aniversário de Bruce celebrado na Mansão Wayne, ele é confrontado por Ducard (Neeson), que revela ser o verdadeiro Ra’s Al Ghul, que veio a Gotham para pessoalmente destruir a cidade; ele conspirou com Crane para contaminar as águas de Gotham com a toxina e evaporá-la com um dispositivo roubado da Wayne Enterprises. Depois de Bruce expulsar todos os convidados fingindo estar bêbado, ele e Ra’s lutam. Os homens de Ra’s colocam fogo na Mansão, libertam todos os pacientes do Arkham, e vaporizam o alucinógeno na atmosfera. Apesar da Mansão Wayne ser destruída, Bruce consegue escapar com a ajuda de Alfred. Rachel entrega o antídoto a Gordon, e derruba Crane, agora chamado de “Espantalho”, com um taser. Batman revela sua verdadeira identidade à Rachel e depois faz Gordon dirigir o Batmóvel para a Torre Wayne, mais especificamente para a central do metrô elevado de Gotham. Enquanto Batman confronta Ra’s no trem, Gordon destrói os trilhos. Batman destrói os controles e escapa do trem, deixando Ra’s Al Ghul para morrer. Após a batalha, Batman se torna um herói público e Bruce ganha controle da sua companhia; ele demite o antigo presidente, William Earle, e o substitui por Fox. Entretanto, perde Rachel, que não pode amar tanto Bruce quanto Batman. Quando ele parasse de ser o Batman, ela estaria esperando-o. Gordon, agora Tenente, mostra a Batman uma carta “Coringa” pertecente ao mesmo e introduzindo assim o seu maior inimigo e arqui-rival, o Coringa, ficando no ar aquele famoso “continua…”

poster-a3-do-filme-batman-o-cavaleiro-das-trevas-14080-MLB2850536706_062012-F O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight, 2008) tem um enredo bem mais sombrio que seu antecessor (em se tratando do Morcegão isso não é novidade, e como eu disse a franquia dirigida por Nolan é PARA ADULTOS). Algumas alterações em relação ao primeiro filme – dentre elas, a troca da atriz que faz o papel de Rachel Dawes – Katie Holmes recusou-se em repetir o papel devido a conflitos de agenda; e em seu lugar foi escalada a atriz Maggie Gyllenhaal. O longa também é de triste memória porque foi lançado após a morte do ator Heath Ledger (Coração de Cavaleiro). Ledger foi escalado para fazer o papel do vilão principal do filme: O Príncipe Palhaço do Crime – O Coringa. Lembro-me que, na época, antes do lançamento do filme, muita gente torceu o nariz para a escolha do ator para o papel – mas todo mundo foi obrigado a reconhecer que o cara arrebentou no papel do vilão, descrito pelo diretor como  “um palhaço psicopata, assassino em série, esquizofrênico, rude, cruel, sarcástico e com zero de empatia. Mas possui bastante humor negro”. A interpretação de Ledger lhe rendeu um Oscar póstumo de Melhor Ator Coadjuvante.

Troca no papel de Rachel Dawes: Sai Katie Holmes e entra Maggie Gylenhaal

Troca no papel de Rachel Dawes: Sai Katie Holmes e entra Maggie Gylenhaal

 

Heath Ledger (R.I.P) roubou a cena como o Coringa. A atuação lhe rendeu um Oscar póstumo de Melhor Ator Coadjuvante

Heath Ledger (R.I.P) roubou a cena como o Coringa. A atuação lhe rendeu um Oscar póstumo de Melhor Ator Coadjuvante

Contemos o filme: Em Gotham City, o Coringa (Ledger) e seus comparsas roubam um banco pertencente a máfia. Batman (Christian Bale) e o Tenente James Gordon (Gary Oldman) decidem incluir o novo promotor público Harvey Dent (Aaron Eckhart), que está namorando Rachel Dawes (Maggie Gylenhaal), no plano para acabar com a máfia. Bruce mais tarde encontra Dent e promete fazer uma festa para arrecadar fundos para ele, depois de perceber sua sinceridade. Os chefes da máfia Sal Maroni, Gambol e Chechen se encontram com outros chefes criminais para discutir os novos problemas nas suas atividades. Lau, um contador chinês, conta que ele escondeu todo o dinheiro e fugiu para Hong Kong para impedir que o plano de Gordon se concretize. O Coringa invade a reunião avisando que o Batman vai caçar Lau, e se oferece para matá-lo em troca de metade do dinheiro. Todos recusam e Gambol põe um preço pela cabeça do Coringa. Pouco tempo depois o Coringa mata Gambol e recruta seus homens.

Em Hong Kong, Batman captura Lau e o entrega para o Departamento de Polícia de Gotham onde ele concorda em testemunhar, possibilitando que Gordon e Dent prendam toda a máfia. Em retaliação o Coringa lança um ultimato para a população de Gotham: pessoas vão morrer todos dias até que o Batman revele sua verdadeira identidade, resultando na morte do Comissário Gillian B. Loeb e a juiz Surilo, que estava presidindo os julgamentos da máfia. Gordon frustra a tentativa do Coringa de matar o Prefeito Anthony Garcia e é aparentemente morto. Como resultado, Bruce decide se revelar, porém Harvey revela que ele é o Batman para proteger a verdade e ser preso como modo de proteção. Escoltado pelo meio da cidade, ele é perseguido pelo Coringa, mas o Batman corre para ajudar. Gordon, que havia forjado sua morte consegue prender o Coringa com a ajuda do Batman e é promovido a Comissário. Entretanto, Dent desaparece e o Coringa revela que ele e Rachel foram levados para prédios separados em lugares opostos da cidade, que irão ser destruídos ao mesmo tempo. Batman corre para salvar Rachel, enquanto Gordon e seus homens tentam salvar Dent. Ao mesmo tempo o Coringa consegue escapar com Lau da delegacia. Batman acaba encontrando Harvey e o salva. O prédio explode e Rachel morre enquanto metade do rosto de Dent é queimado, deixando ele traumatizado.

Aaron Eckhart faz o papel do promotor Harvey Dent, que, corrompido se Coringa se transforma no vilão Duas-Caras

Aaron Eckhart faz o papel do promotor Harvey Dent, que, após ter parte de seu rosto queimado, e corrompido pelo Coringa, se transforma no vilão Duas-Caras.

Após matar Lau e Chechen, o Coringa ameaça destruir um hospital se Coleman Reese, um contador da Wayne Enterprises que descobriu a verdadeira identidade do Batman, não for morto em uma hora. Bruce salva Reese enquanto o Coringa visita Dent no hospital e o convence a vingar a morte de Rachel indo atrás dos responsáveis. Agora Duas-Caras, Harvey julga o Coringa jogando sua moeda e acaba por poupá-lo. O Coringa explode o hospital e leva um ônibus cheio de pessoas como reféns, enquanto o Duas-Caras mata Maroni e outros. Naquela noite, os civis são evacuados de Gotham, porém o Coringa enche as duas balsas com explosivos, oferecendo tanto aos civis quanto aos criminosos a chance de viver se eles explodirem a outra embarcação. Batman impede que as equipes da SWAT de Gordon peguem o Coringa para proteger os reféns e para deixá-lo capturar o Coringa sozinho. Os passageiros das balsas se recusam a matar uns aos outros e o Coringa é capturado, mas antes ele explica sua complexa relação com o Batman e revela o que ele fez com Harvey Dent, dizendo que embora o Batman seja incorruptivel, Dent não era.

Nos escombros do prédio onde Rachel morreu, Batman encontra o Duas-Caras mantendo a família de Gordon refém sob a mira de uma arma. Duas-Caras julga os destinos de Batman, ele mesmo, e o filho de Gordon. Como resultado das duas primeiras jogadas da moeda, Batman leva um tiro na barriga, e Duas-Caras poupa ele mesmo. Quando estava jogando a moeda para determinar o destino do menino, ele é atacado pelo Batman, resultando em sua morte. Sabendo que o povo de Gotham vai perder a esperança se a vingança de Harvey for descoberta, Gordon é convencido pelo Batman a incriminá-lo pelas mortes. A polícia invade o prédio, e a caçada pelo Batman começa. Gordon discursa no funeral de Dent e destrói o Bat-Sinal. O filme termina com aquele tom de “continua”, com a fala do Batman no ar “ou você morre herói, ou vive tempo suficiente para ver você mesmo virar vilão.” (fala dita por Harvey a Bruce quando esses se conheceram). E que venha o próximo filme!

batman-um-fogo-ressurgirá O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises, 2012) é o capítulo final da “trilogia Nolan” (obviamente), que conta com a volta do elenco principal (Bale como Wayne/Batman, Michael Caine como seu fiel mordomo Alfred, Morgan Freeman como Lucius Fox, Gary Oldman como o Comissário Gordon) e também introduz novos personagens. Vamos a eles (enquanto contamos o filme):

Oito anos se passaram após os acontecimentos do filme anterior. Batman não é visto desde aquele fatídico dia em que assumiu a culpa pelos crimes do promotor público Harvey Dent (o Duas-Caras). O alter-ego do herói, Bruce Wayne, se tornou um recluso, e as Empresas Wayne começam a derrocar após investirem um projeto de energia por fusão da executiva Miranda Tate (Marion Cotillard) – projeto que acabou sendo cancelado após Bruce descobrir o potencial bélico do reator. Com a nova Lei Dent, o comissário Jim Gordon e a polícia de Gotham City acabaram com o crime organizado, permitindo que a maior parte dos chefões do crime fossem presos sem julgamento.Dark-Knight-Rises_The_1a

Enquanto Gordon desiste de revelar as mentiras sobre Dent durante uma festa na Mansão Wayne, a ladra Selina Kyle  – a.k.a. Mulher-Gato – (Anne Hathaway) rouba as digitais de Bruce e um colar de sua mãe. Mais tarde, em outro canto de Gotham, procurando um político desaparecido, Gordon acaba encontrando nos esgotos o terrorista Bane (Tom Hardy), assim como sua gangue. Gordon é ferido na fuga, e seu discurso com toda a verdade cai nas mãos de Bane. No hospital ele promove o policial John Blake (o sósia do finado Heath Ledger – ou irmão se preferir, pois  são muito parecidos- Joseph Gordon-Levitt) a detetive.

Afinal, apareceu a Mulher-Gato dessa versão, encarnada pela atriz Anne Hathaway... (não achei nenhuma foto decente dela sem a máscara...)

Afinal, apareceu a Mulher-Gato dessa versão, encarnada pela atriz Anne Hathaway… (não achei nenhuma foto decente dela sem a máscara…)

Blake – que, com um impressionante raciocínio dedutivo, descobriu a identidade secreta de Bruce – e Gordon, pedem pelo retorno de Batman. Ao mesmo tempo, Bane ataca a bolsa de valores de Gotham, usando as digitais de Bruce para falir as Empresas Wayne. Deduzindo corretamente que um executivo rival, John Daggett, financiou Bane para tomar o controle de sua companhia, Bruce passa o domínio das Empresas Wayne para Miranda Tate – claro que o fato de os dois dormirem juntos, pra não dizer outra coisa, é só mera coincidência. Daggett desde o princípio havia sido enganado por Bane, e este o mata para tomar o controle de seu império em construção.

Tom Hardy encarnou o vilão principal deste longa: Bane - o cara que literalmente quebrou a coluna do Morcegão...

Tom Hardy encarnou o vilão principal deste longa: Bane – o cara que literalmente quebrou a coluna do Morcegão…

Bruce decide voltar como Batman e, com a ajuda de Selina (ou não), encontra Bane. Este revela que tomou o controle da liga das Sombras de Ra’s Al Ghul e agora planeja destruir Gotham, como Ra’s pretendia em Batman Begins. Abatido fisicamente e mentalmente, Batman não aguenta lutar com Bane e este por fim o aleija, mandando-o para uma prisão distante e desesperadora – no fundo de um poço. Após roubar os equipamentos das indústrias Wayne, Bane força Miranda e Lucius Fox a revelarem o reator a fusão, que acaba se tornando uma bomba nuclear após ter seu núcleo retirado. Em seguida atrai todos os policiais para o esgoto e usa bombas escondidas para soterrá-los no subsolo, devastando Gotham.

Bane anuncia, durante um jogo de futebol americano, que possui uma bomba capaz de destruir a cidade e caso alguém tentasse escapar não conseguiria, pois as pontes que conectam Gotham ao continente já haviam sido destruídas na explosão. Bane lê o discurso de Gordon em público antes de libertar os presos na penitenciária Black Gate pela Lei Dent, dentre eles Jonathan Crane (o Espantalho), que se tornou juiz e júri de uma farsa jurídica para condenar os outrora ricos e poderosos de Gotham.

Ao longo de meses, Bruce se recupera, tanto física  como mentalmente, e após uma árdua escalada, consegue fugir do cativeiro. De volta a Gotham, ele reúne Gordon,o novato John Blake, Miranda Tate, Lucius Fox e  Selina Kyle para ajudá-lo a desarmar a bomba, antes que esta seja detonada (sim, senhoras e senhores – o Morcegão dá uns pegas na Gatinha também nesse filme – com direito até a emprestar a Batmoto pra moça). Na batalha entre os terroristas e policiais, Batman ressurge e confronta novamente Bane, derrotando-o dessa vez. Inesperadamente, Miranda o esfaqueia e revela ser a filha de Ra’s Al Ghul, Talia, a real pessoa por trás de tudo o que aconteceu, com a intenção de concluir os planos do pai – de destruir Gotham City – e, ao mesmo tempo, vingar a morte dele. Bane era apenas um aliado de Talia – leia-se pau-mandado – pois o mesmo a havia protegido quando ela era criança.

A atriz francesa Marion Cotillard encarnou a executiva Miranda Tate, ou melhor, a surpresinha do final: Talia Al Ghul - a filha de Ra's. Nos quadrinhos interesse amoroso de Bruce. Não que no filme também não seja... ¬¬

A atriz francesa Marion Cotillard encarnou a executiva Miranda Tate, ou melhor, a surpresinha do final: Talia Al Ghul – a filha de Ra’s. Nos quadrinhos interesse amoroso de Bruce. Não que no filme também não seja… ¬¬

Antes que Talia detone a bomba, Gordon neutraliza o receptor remoto da mesma, forçando Talia a ir atrás do caminhão com o artefato e deixando Bane para matar Batman. Antes que o faça, Selina – ou Mulher-Gato, se você preferir- atira em Bane com a Batmoto. Batman tenta forçar Talia a levar a bomba para a câmara, onde Fox poderia neutralizá-la, mas Talia se antecipa e faz esta ser inundada. Talia morre após colidir o caminhão, e Batman usa seu Bat- Avião para carregar a bomba para longe de Gotham. Esta explode,e aparentemente mata o herói.

...

Batman é considerado uma lenda viva, enquanto que Bruce Wayne é dado como morto durante as revoltas. Seu testamento manda dividir suas propriedades para liquidar dívidas, com a mansão Wayne ficando para o orfanato onde Blake cresceu, e o resto da fortuna para o mordomo Alfred Pennyworth. Logo após estes eventos, Gordon descobre um novo Batsinal no telhado da polícia, enquanto que Fox vê que Bruce tinha instalado no Batwing um piloto automático – Não, gente! Não foi dessa vez que o Morcegão morreu!!! Na Itália, Alfred encontra Bruce e Selina, enquanto que John Blake,sob instruções deixadas por Bruce, descobre a Batcaverna. Na última cena é revelado que o nome de batismo de Blake é Robin. E o filme acaba com esse clima de “quero mais” no ar. Mas como Nolan mesmo disse “é o fim dessa versão mesmo”. Se alguém quiser mais filmes com o Morcegão eles não terão nada a ver com essa trilogia. Será que Ben Affleck estará à altura para o papel de Morcego? Só nos resta aguardar companheiros…

Joseph Gordon-Levitt é o policial novato (promovido a investigador) John Blake. No final do filme descobrimos seu verdadeiro nome: ROBIN.

Joseph Gordon-Levitt é o policial novato (promovido a investigador) John Blake. No final do filme descobrimos seu verdadeiro nome: ROBIN.

 

Batman nos cinemas – 1ª parte

Batman-michael-keaton

Michael Keaton usando o uniforme do Batman

Depois da minha última postagem (que você pode conferir clicando neste link), recebi milhares de pedidos implorando para que eu desse continuidade sobre os filmes com super-heróis. Aí eu pensei, nada mais justo do que, se nas minhas últimas postagens eu foquei no Universo Marvel, passasse a falar agora da Distinta Concorrente (que pra mim só se resume num certo Homem de Aço, sobre o qual eu já fiz inúmeras postagens, e no personagem sobre o qual pretendo desenvolver aqui, afinal, o Super-Homem e o Morcegão são os opostos da DC Comics – a luz e as trevas). No que se refere ao Morcegão, o primeiro “super-acerto” foi o filme de 1989, mas já falo dele. Antes gostaria de fazer uma menção honrosa ao mais famoso ator a envergar a capa do Batman. Adam West, no seriado dos anos 60. A série dos anos 60 estava mais pra “comédia” do que pro gênero de ação. Nela, tínhamos um Batman “gordinho” – Adam West estava visivelmente fora de forma para o papel, e as histórias eram todas forçadas ao extremo. Mesmo assim, a criançada pirou nessa série que aqui no Brasil fora exibida em diversos canais de televisão.

O ator Adam West fez Bruce Wayne/Batman no seriado dos anos 60.

O ator Adam West fez Bruce Wayne/Batman no seriado dos anos 60.

Muito bem, colegas, antes de falar dos filmes do Morcegão, uma última foto de Adam West, como Batman:

Adam West como Batman

Adam West como Batman

Falemos agora das versões cinematográficas: Batman_ver2 Batman (1989): No final dos anos 80, a DC Comics estava em frangalhos, uma “crise” havia rebootado todos os títulos em quadrinhos da editora e as duas últimas versões cinematográficas do Super-Homem haviam sido um fiasco. Era hora de focar num outro personagem da DC: O Homem-Morcego. A direção ficou a cargo de Tim Burton, que, naquela época tinha emplacado apenas um sucesso: Beetlejuice (Br: Os Fantasmas se Divertem, 1988). Foi com o Cavaleiro das Trevas que Burton adquiriu a fama que tem hoje. Acreditem 😉 Para estrelar o “gênio, bilionário, playboy, filantropo…” (opa, acho que essa descrição é sobre outro cara) Bruce Wayne e seu alter-ego, o Batman, Burton convidou o ator Michael Keaton (que havia trabalhado com o mesmo em Beetlejuice), mas definitivamente, quem rouba a cena neste filme é o ator Jack Nicholson (que já tem mesmo uma cara de louco) no papel do Príncipe Palhaço do Crime: O Coringa! Tanto é verdade que o nome de Nicholson aparece primeiro nos créditos e o nosso herói só aparece sem máscara pela primeira vez lá pelos 18 minutos de filme. O tempo do filme é psicológico. A origem do Morcegão não é contada de imediato, mas sim em recortes de flashbacks de Wayne, conforme o desenvolvimento do filme. A única alteração relevante é que nesse filme é inventada uma origem para o Coringa (a mais conhecida, embora esse seja um dos inúmeros mistérios dos quadrinhos da DC, nem mesmo o próprio Coringa se lembra de seu passado). E que o mesmo foi, no passado, o assassino dos pais de Bruce Wayne – ou seja, no filme, o Coringa é indiretamente responsável pelo surgimento do Batman. Mesmo assim, o sucesso foi imediato, sendo o segundo “super-acerto” da DC (o primeiro é o Super-Homem, de 1978).

Michael Keaton é, até hoje, o ator mais velho a interpretar o Morcegão. Na época das filmagens tinha 38 anos.

Michael Keaton é, até hoje, o ator mais velho a interpretar o Morcegão. Na época das filmagens do primeiro longa o ator tinha 38 anos.

Quando criança, Bruce Wayne presenciou o assassinato de seus pais por um jovem criminoso chamado Jack Napier. Wayne jurou proteger e livrar a cidade de Gotham City dos criminosos. Anos mais tarde, tornou-se o lendário Batman, um ser fantasiado de morcego que assombra criminosos e auxilia a polícia local a desvendar diversos crimes. Paralelo a isto, Wayne mantém sua imagem pública como o dono bilionário da Wayne Enterprises.

Gotham City encontra-se sob controle do chefe do crime Carl Grissom. E, apesar dos esforços do promotor Harvey Dent (guarde esse nome) e do comissário James Gordon, a polícia local foi tomada pela corrupção. O repórter Alexander Knox e a sensual fotógrafa Vicki Vale (Kim Basinger) passam a investigar os rumores sobre uma sombria figura vestida de morcego que anda aterrorizando os criminosos da cidade.

Desculpa aí Heath Ledger, mas o Nicholson ganha de você no quesito "cara de maníaco"!

Desculpa aí Heath Ledger, mas o Nicholson ganha de você no quesito “cara de maníaco”!

Eis então que surge a figura de Jack Napier (Nicholson), que possui ligação com Carl Grissom. Durante um de seus crimes, Napier acaba sendo atingido por uma bala -que destrói os nervos do seu rosto, deixando-o com um sorriso forçado – e cai em um tonel contendo uma desconhecida substância química – a reação deixa a pele de Napier branca, seus lábios vermelhos e seus cabelos verdes. Assim, Napier assume a identidade do palhaço Coringa, um psicopata que planeja diabólicas formas para aterrorizar Gotham City e seus habitantes, e somente Batman é quem poderá detê-lo.

Batman_returns_poster2 Batman – O Retorno (Batman Returns, 1992): Tim Burton não demonstrava interesse em dirigir uma sequência do Morcegão, mas quando Daniel Waters escreveu um roteiro “de arrepiar”, Burton ficou interessado. E, de todos os filmes clássicos (desconsidere Christopher Nolan nesta postagem, por favor! Não quero nenhum comentário do tipo “Ah, mas o Batman do (Christian) Bale é o melhor de todos! Não, geração Smartphone, não é! Mas tenham paciência, vou fazer uma postagem em separado da Trilogia Nolan em outra ocasião conveniente. E outra – um clássico é sempre um clássico!) Batman Returns conseguiu ser o melhor e mais arrepiante que seu antecessor. O Motivo? Os vilões, é claro! Desde o manipulador Max Schreck (Christopher Walken), ao aterrorizante Pinguim (transformaram Danny Devito num monstro) e lógico, a sensualíssima (hoje nem tanto) Michelle Pfeiffer no traje de couro da Mulher Gato. A trama do filme: Um bebê filho de um casal de ricos aristocratas nasce deformado e com sindactilia nos dedos das mãos, deixando seus pais horrorizados, fazendo os mesmos o jogarem dentro de uma cesta no rio de Gotham City. O rio o leva para os esgotos de Gotham, e a cesta vai parar nos encanamentos da ala “Arctic World” onde ficavam os pinguins de um zoológico abandonado. Mais tarde é revelado (Bruce Wayne investigando a vida do homem conhecido como “Pinguim”) que um grupo de artistas de um circo de horrores chamado “Triângulo Vermelho” encontraram o bebê junto aos pinguins que ainda viviam no local, e ele foi criado pelos circenses que o usaram como uma das aberrações no circo, chamada de “O Incrível Garoto Ave Aquática” devido à suas deformidades, como seu nariz e suas mãos que lembravam um bico e nadadeiras de pinguim. Trinta e três anos após o bebê ter sido abandonado, já adulto e conhecido como “O Pinguim” (Danny DeVito), ele ressurge na superfície da cidade de Gotham, e chantageia o milionário Max Shreck (Christopher Walken), com provas de seus crimes corporativos, para ajudá-lo a descobrir a identidade de seus pais, e descobrir seu verdadeiro nome, Oswald Cobblepot. Mais tarde o Pinguim “resgata” o filho do prefeito, quando ele é sequestrado por um criminoso, que foi mandado secretamente pelo próprio Pinguim, o que faz dele uma figura heroica entre o povo de Gotham City. Quando o “ato de bravura” de Pinguim se torna uma grande notícia na cidade, Shreck arma um plano para tirar o prefeito de Gotham City do poder, e eleger Cobblepot em seu lugar, a fim de consolidar seu controle sobre a cidade e completar o projeto da usina, em que ele vem trabalhando. O Batman (Michael Keaton) descobre que Pinguim, e sua gangue do circo “Triângulo Vermelho” são responsáveis ​​por vários desaparecimentos de crianças. Enquanto isso, Shreck joga sua secretária, Selina Kyle (Michelle Pfeiffer), do alto do prédio de sua empresa, após ela ter descoberto a verdadeira natureza de seus planos: construir uma usina nuclear para sugar a energia de Gotham.

Danny DeVito interpretou o vilão Pinguim.

Danny DeVito interpretou o vilão Pinguim.

Selina sobrevive a queda, mas a pancada em sua cabeça causa um surto psicótico, e muda sua personalidade. Agora influenciada pelo seu amor por gatos, e livre de qualquer restrições sociais ou morais, Selina volta para casa e projeta um traje de couro que lembram um gato, tornando-se a “Mulher-Gato” e focando vingança contra seu chefe Max Shreck pelos seus diversos crimes impunes.

Michelle Pfeiffer fez tanto sucesso como a Mulher-Gato após Batman Returns que Tim Burton queria fazer um filme só dela.  Anne Hathaway o cacete! Essa daqui ficou bem mais gostosa!

Michelle Pfeiffer fez tanto sucesso como a Mulher-Gato após Batman Returns que Tim Burton queria fazer um filme só dela.
Anne Hathaway o cacete! Essa daqui ficou bem mais gostosa (pelo menos naquela época)!

Selina, entretanto, se apaixona pelo alter-ego de Batman, Bruce Wayne. Mais tarde uma parceria é feita entre a Mulher-Gato e o Pinguim, onde os dois se unem em um plano para livrar Gotham do Batman. Depois de Batman expor ao povo um CD com uma gravação que mostra a verdadeira face do vilão Pinguim, suas chances políticas são arruinadas, e o Pinguim monta um ataque para matar todas as crianças primogênitas de Gotham, filhas das pessoas que estão em uma festa da alta sociedade. Pinguim também sequestra Shreck quando este pede para ser levado no lugar de seu filho Chip. Batman atrapalha novamente os planos de Oswald quando impede que seu exército formado por pinguins com mísseis amarrados em suas costas, cheguem à cidade. Shreck consegue sair da gaiola em que estava preso sobre o esgoto, mas é confrontado tanto por Batman quanto pela Mulher-Gato. Batman tenta convencer Mulher-Gato a poupar a vida de Shreck e entregá-lo a polícia, retirando sua máscara e mostrando sua identidade secreta, Bruce Wayne, mas Shreck puxa uma arma e atira em Batman e, em seguida começa a disparar tiros sobre a Mulher-Gato. Em um último esforço em parar Shreck, a Mulher-Gato provoca uma explosão elétrica, e aparentemente sacrifica sua própria vida para matar Shreck. O Pinguim, tendo sido mortalmente ferido durante a luta dele contra o Batman, morre por conta de seus ferimentos e, é levado por seus pinguins nas águas do esgoto.

Menção Honrosa para Christopher Walken, que interpretou o manipulador Max Schreck

Menção Honrosa para Christopher Walken, que interpretou o manipulador Max Schreck

Algum tempo depois, Bruce está andando de carro a noite ao redor da cidade com o seu mordomo Alfred Pennyworth (Michael Gough) como motorista. Ele pensa ter visto a sombra de Selina em uma parede. Alfred para o carro, mas Bruce percebe que sua busca por Selina foi em vão, quando não encontra ninguém no local. Ele encontra o gato de estimação de Selina, no entanto. Mas quando ele leva o gato com ele e vai embora, a câmera vai até o topo da cidade, entre os prédios. E enquanto a luz do Batsinal aparece acima do céu noturno, a Mulher-Gato surge em um telhado, olhando para ele….

Batman Returns foi o último filme do Batman que contou com Tim Burton e Michael Keaton como diretor e ator principal, respectivamente. No filme seguinte, Batman Eternamente, a Warner Bros decidiu ir em uma direção mais “leve” para ser mais popular no processo de um filme de família. Burton não tinha interesse em voltar a dirigir uma continuação, mas ele permaneceu como produtor e foi substituído na direção por Joel Schumacher. (E isso foi um erro, leia mais abaixo). 

Em 1993, um spin-off para a personagem Mulher-Gato foi anunciado. Michelle Pfeiffer iria reprisar seu papel e sua personagem foi cortada para aparecer em Batman Eternamente, porque teria seu próprio filme. Burton estaria retornando como diretor, enquanto o produtor Denise Di Novi e o escritor Daniel Waters também retornariam ao spin-off Catwoman juntamente com Burton. Em 1994, Burton não tinha certeza de seus planos para dirigir um filme solo da Mulher-Gato. Em 1995, Waters mostrou seu roteiro para o filme solo da Mulher-Gato para a Warner Bros, no mesmo dia que Batman Eternamente foi lançado. Burton ainda estava sendo cortejado para dirigir. Waters brincou, “transforma-lo em um Batman Eternamente pode não ser a minha melhor jogada logística, em que é uma celebração e diversão do Batman para toda a família. O roteiro de Mulher-Gato não é definitivamente um divertimento para toda a família “. O filme ficou em desenvolvimento durante anos, com Pfeiffer sendo substituída por Ashley Judd. O filme acabou se tornando o criticamente negativo Catwoman (2004), estrelado por Halle Berry.

Essa não é a Mulher-Gato! É a Tempestade dos X-Men usando uma máscara!

Essa não é a Mulher-Gato! É a Tempestade dos X-Men usando uma máscara!

Nem vou perder meu tempo comentando a Mulher-Gato da Hale Berry porque a história é um plágio de Batman Returns – a parte da origem, a personagem (que só mudaram o nome – não é mais Selina, mas uma tal de Patience Phillips) sendo jogada de um prédio após descobrir segredos industriais, entre outras coisas que nem perco meu tempo em mencionar… Passemos para o próximo “Filme do Bátema”, please…

Batman_forever_ver7 Batman Eternamente (Batman Forever, 1995) foi o começo do fracasso para o Morcegão. O motivo? A saída de Tim Burton da direção. Neste longa Burton ficou apenas como produtor e passou a cadeira de diretor para Joel Schumacher – exigência da Warner, que queria que os filmes do Batman fossem mais “família”, e Batman Returns tinha sido um filme “violento e sombrio” (como se o Batman não fosse assim). Ah se a Warner soubesse o erro que estava cometendo… Entretanto as críticas com relação a este longa são mistas… Tem coisas boas no filme… mas tem mais coisa ruim do que boa…

A primeira alteração do filme em relação aos anteriores é a troca do ator principal que interpreta o Morcegão e seu alter ego, Bruce Wayne – Michael Keaton não gostou da nova direção da série e pediu pra sair, pois tinha “papéis mais importantes”. Em seu lugar, a capa do Batman foi envergada por Val Kilmer.

Val Kilmer tinha 36 anos quando interpretou Bruce Wayne e seu alter ego, o Morcegão.

Val Kilmer tinha 36 anos quando interpretou Bruce Wayne e seu alter ego, o Morcegão.

A grande novidade deste filme era que finalmente Batman encontraria seu parceiro, o Garoto Prodígio – Finalmente o longa do Homem-Morcego teria um Robin – Dick Grayson, obviamente – o primeiro Robin, embora acho que o melhor Robin seja Tim Drake, mas seria pedir demais pra ter o Tim nessa série de filmes, vamos de Dick mesmo. Para o papel, foi escalado ninguém menos que Chris O’Donnell.

Chris O'Donnell encarnou o parceiro do Batman, Dick Grayson, ou melhor, Robin.

Chris O’Donnell encarnou o parceiro do Batman, Dick Grayson, ou melhor, Robin.

Mas é claro que, assim como foi nos filmes anteriores, são os vilões que chamam mais a atenção do público do que necessariamente a “Dupla Dinâmica”. Aliás, tudo neste filme é em dois… – Dois heróis, dois vilões, duas perspectivas (Já sacou, caro leitor? Um dos DOIS vilões do filme é ninguém menos que Harvey Dent, o Duas-Caras, vivido por Tommy Lee Jones. Muita gente faz confusão porque Dent foi interpretado por outro ator no primeiro filme, mas o personagem é o mesmo tá gente? Inclusive numa sequência é contado como foi que Dent ficou com metade do rosto desfigurado, ganhando seu apelidinho carinhoso de “Duas-Caras”.

Mas espera aí, se um dos vilões é o Duas-Caras, quem é o outro? Essa é a charada, meu amigo… ou melhor… o outro vilão É o Charada… E quem melhor para interpretar um cientista louco que quer roubar ondas cerebrais dos cidadãos de Gotham City (e literalmente roubar a cena) do que o já consagrado na comédia Jim Carrey? Difícil não se lembrar das palhaçadas do Máskara ou do Ace Ventura ao ver o Charada… afinal, estamos falando de Jim Carrey não é mesmo?

Jim Carrey interpretou o Charada e Tommy Lee Jones ficou no papel do Duas-Caras.

Jim Carrey interpretou o Charada e Tommy Lee Jones ficou no papel do Duas-Caras.

Falemos do filme: Em Gotham City, Batman (Val Kilmer) intervém em uma situação de reféns em um assalto de banco causado por Duas-Caras (Tommy Lee Jones), o alter ego do promotor que foi desfigurado, Harvey Dent. Dent está prendendo um guarda de segurança como refém e quando Batman vem salva-lo, Duas-Caras prende os dois em um cofre, arrastando para fora do prédio pendurado em seu helicóptero por uma corrente. O cofre começa a encher de ácido, mas Batman usa o aparelho auditivo do segurança para destravar o cofre. Dentro do helicóptero, Duas-Caras vê a capa de Batman acima da tela de vento. Dent atira nele e acaba matando o piloto. Harvey usa um para-quedas para sair do helicóptero que estava voando em direção a estatua da liberdade de Gotham (similar a de Nova York). Batman pula para fora pouco antes do helicópero se acidentar com a estátua da liberdade e explodir. No dia seguinte, Edward Nygma (Jim Carrey), um pesquisador da Wayne Enterprises, está desenvolvendo um dispositivo para a televisão, diretamente para o cérebro de uma pessoa; Bruce Wayne (por quem Nygma é obcecado) conhece a invenção de Nygma, e embora este faça de tudo para convencê-lo a aceitar o projeto e iniciar uma parceria, Bruce rejeita a invenção, observando que “levanta muitas perguntas”. Na noite do mesmo dia, o chefe de Nygma(que vivia atrapalhando o mesmo de conquistar Bruce Wayne) tenta encerrar o projeto, mas Nygma o faz de cobaia para testar a máquina. Após voltar do transe, o chefe demite Nygma e ameaça processá-lo, mas este lança o chefe em direção á janela e em seguida o assassina (fazendo com que pareça um suicídio) e se demite do cargo na Wayne Enterprises fingindo estar traumatizado com o ocorrido, embora ele deixe um enigma lá.

Após a reunião com a psiquiatra Dra. Chase Meridian (Nicole Kidman), Bruce convida ela para um evento de circo. Lá, Duas-Caras e sua tempestade de capangas dominam o evento em uma tentativa de descobrir a identidade secreta de Batman, que Bruce tenta revelar, mas não pode devido à multidão gritando, no processo, uma família de acrobatas chamada Os Grayson Voadores são assassinados, caindo mortalmente quando seus trapézios são cortados. O membro mais jovem, Dick (Chris O’Donnell), sobrevive e atira a bomba de Duas-Caras no rio. Bruce assume a responsabilidade de Dick e lhe permite ficar na Mansão Wayne. Dick declara que sua intenção é de matar o Duas-Caras e vingar o assassinato de sua família, e quando ele descobre a identidade secreta de Bruce como Batman, ele insiste em se tornar seu parceiro, “Robin“, Bruce recusa a oferta ardosamente para evitar que o jovem siga seu próprio caminho conturbado.

Enquanto isso, Nygma se torna um criminoso conhecido como o “Charada” e torna-se aliado de Duas-Caras, prometendo descobrir a identidade de Batman, ele envia a Bruce dois enigmas adicionais conforme o tempo passa. O dispositivo de Nygma, o Vox, tem um único efeito colateral, o que lhe permite acessar suas ondas cerebrais, o que lhe permite descobrir todos os segredos que as pessoas possuem, aumentando a sua própria inteligência e conhecimento. Edward revela um dispositivo avançado em uma festa de negócios, e é capaz de descobrir a identidade secreta de Bruce. Duas-Caras, em seguida, ataca o partido e quase enterra Batman vivo, mas, Robin chega bem a tempo de salvar a sua vida. Bruce continua a negar a ter Dick como seu parceiro, indo tão longe a ponto de desistir de seu posto como o Cavaleiro das Trevas para desencorajar Dick, bem como perseguir um relacionamento com Chase, a quem ele pretende contar seu segredo, já que ela está em dúvidas entre namorar Bruce ou Batman, por não saber que os dois são a mesma pessoa. No entanto, Duas-Caras e Charada vão até a Mansão Wayne no Halloween, agora sabendo que Bruce é Batman, logo após Bruce revelar sua identidade para Chase. O Charada entra na Batcaverna e destrói a maioria dos equipamentos enquanto os capangas de Duas-Caras enfrentam Bruce. Logo depois os dois vilões sequestram Chase depois que Bruce é baleado por um tiro de Duas-Caras. Também deixam um último enigma para Bruce. Enquanto isso, Chase é algemada em um sofá no covil de Charada.

Depois de despertar e resolver o último enigma, usando todas as respostas para determinar quem é o Charada, Bruce finalmente aceita ter Dick como parceiro, então Batman e Robin localizam o covil do Charada, onde ambos são separados ao chegar na ilha. Robin encontra Duas-Caras e se engaja em combate, quase derrubando o vilão para ser morto. Robin mostra misericórdia e acaba salvando a vida de Duas-Caras, mas é feito de refém quando o vilão puxa uma arma. Batman é capaz de se infiltrar com sucesso a torre, porém o Charada revela que Robin e Chase estão ambos como reféns, amarrados e amordaçados em frascos gigantes acima de um poço de água e picos de metal. O Charada diz a Batman, que ele só pode salvar um refém, mas percebendo que eles estão todos condenados provavelmente, independentemente de quem ele escolha, ele desafia o Charada com um enigma de sua autoria, utilizando a distração para destruir o dispositivo de ondas cerebrais de coleta, revertendo o seu efeito sobre o Charada e o colocando em um colapso mental no processo. Batman é capaz de resgatar Robin e Chase enquanto caíam, só para descobrir que Duas-Caras estava sobre eles com uma arma. Batman convence Duas-Caras de usar sua moeda pela uma última vez, então, ele joga um punhado de dólares de prata pelo ar, fazendo com que o Duas-Caras perca o seu equilíbrio e acabe caindo para sua morte. O Charada é finalmente enviado para o Asilo Arkham, e Chase é convidada a consultar sobre o seu caso. Charada se oferece para revelar a identidade de Batman para ela, apenas a alegação de que ele é o Batman. Chase então encontra Bruce Wayne lá fora e diz-lhe que o seu segredo está seguro.

Batman_&_robin_poster Batman & Robin (1997) – se o filme acima já tinha sido fraco, meu amigo… de todos os quatro este aqui foi o fracasso dos fracassos, tanto que foi recordista do prêmio Framboesa de Ouro (uma espécie de Oscar reverso, que homenageia os PIORES filmes do ano). O elenco era dos bons, com nomes como Arnold Schwarzenegger e Uma Thurman (nos papéis dos vilões Mr.Freeze – ou Senhor Gelo em algumas dublagens – e Hera Venenosa, respectivamente); George Clooney (que substituiu Val Kilmer no papel do Morcegão – Kilmer saiu por desentendimentos com o diretor Joel Schumacher); Alicia Silverstone e Chris O’Donnell (que repete seu papel como o menino-prodígio). Joel Schumacher até tinha boas intenções – reviver a magia camp do seriado dos anos 60 (aquele com Adam West). Ele só se esqueceu que a fórmula dava certo nos anos 60. Nos anos 90 o morcegão era mais sombrio, mais angustiado (influência da Marvel e dos personagens de Stan Lee, talvez?). Mas nessa coisa de fazer um filme menos sombrio e mais para a “diversão familiar”, a impressão que dá é que estamos vendo a um desenho animado qualquer, e não um filme do Batman. Resumindo até aqui: Tim Burton dá de dez a zero em Schumacher.

Apesar dos cabelos grisalhos, George Clooney tinha 36 anos na época das filmagens de Batman e Robin. Ele fora escolhido para substituir Val Kilmer, que havia se desentendido com o diretor e saíra do projeto.

Apesar dos cabelos grisalhos, George Clooney tinha apenas 36 anos na época das filmagens de Batman e Robin. Ele fora escolhido para substituir Val Kilmer, que havia se desentendido com o diretor e saíra do projeto.

Os trajes estão diferentes em relação ao filme anterior – Robin não tem mais o famoso “R” no peito. Na verdade o traje foi baseado na identidade que Dick Grayson assumiu nos quadrinhos depois de adulto – o Asa Noturna.

Uma alteração do filme difícil de engolir é a personagem Barbara Wilson, vivida pela sensual (pelo menos nos anos 90) Alicia Silverstone, que se transformará na Batgirl (daqui pra frente a chamarei de Batmoça, porque aqui é BR, porra!). Todo mundo sabe que nos quadrinhos seu nome é Barbara Gordon, pois ela é filha do Comissário de Polícia, James Gordon. Mas no filme ela não tem nehum vínculo com Gordon. Fizeram como se fosse uma sobrinha do fiel mordomo do Batman, Alfred. Seus pais morreram em um acidente de carro e Alfred, seu tio, por ser muito próximo de sua mãe, Margaret, a leva para morar com ele na mansão Wayne.

Alicia Silverstone fez o papel da jovem Barbara, ou melhor, Batmoça.

Alicia Silverstone fez o papel da jovem Barbara Wilson, ou melhor, Batmoça.

Então vejamos: Uma dupla dinâmica formada por três (!) pessoas, três vilões de segunda linha – Mr.Freeze, Hera Venenosa e Bane (na verdade esse foi mal explorado – pois nos quadrinhos foi o cara que literalmente quebrou a coluna do Morcegão, e neste filme fizeram ele como um vilão burro, que apenas cumpria ordens da Hera Venenosa). Mas vamos ao filme:

Batman (George Clooney) e Robin (Chris O’Donnell) tentam impedir Mr. Freeze (Arnold Schwarzenegger) de roubar diamantes do Museu de Gotham City, mas o vilão escapa. A dupla dinâmica logo descobre que Mr. Freeze costumava ser o cientista especializado em criogenia Victor Fries, que tentava encontrar uma cura para sua esposa, Nora, que sofria de uma doença terminal chamada Síndrome de MacGregor. Após um acidente de laboratório Fries se tornou dependente de um poderoso traje que usa diamantes para manter seu corpo em temperaturas abaixo de zero.

Arnold Schwarzenegger é o melhor vilão deste filme - Mr. Freeze (ou Senhor Gelo, depende da dublagem)

Arnold Schwarzenegger é o melhor vilão deste filme – Mr. Freeze (ou Senhor Gelo, depende da dublagem)

Na América do Sul, Pamela Isley (Uma Thurman) está trabalhando para o Dr. Jason Woodrue (John Glover – o Lionel Luthor de Smallville), um cientista louco que está fazendo experiências com uma substância esteróide chamada “Veneno” (Nossa, que falta de originalidade). Ela testemunha Woodrue usar a fórmula para transformar um condenado diminuto em uma monstruosidade apelidada de “Bane“. Woodrue e Isley discutem sobre o uso da droga, e Woodrue derruba uma prateleira com várias toxinas em cima dela. Isley se transforma na bela e sedutora Hera Venenosa antes de matar Woodrue com um beijo de seus lábios venenosos. Ela descobre que a Wayne Enterprises estava financiando Woodrue, então ela e Bane vão para Gotham.

Uma Thurman sensualiza como Hera Venenosa.

Uma Thurman sensualiza como Hera Venenosa.

Enquanto isso, a sobrinha do mordomo Alfred Pennyworth (Michael Gough – um dos únicos atores presentes nos quatro filmes), Barbara Wilson (Silverstone), faz uma visita surpresa e é convidada por Bruce Wayne para ficar na Mansão Wayne até que ela volte para a escola. Alfred revela também estar sofrendo de Síndrome de MacGregor, embora ainda esteja nos estágios iniciais da doença.

Hera Venenosa interrompe a conferência de imprensa da Wayne Enterprises para propor um projeto que poderia ajudar o meio ambiente. Bruce Wayne recusa a oferta, já que mataria milhões de pessoas. Naquela noite, um evento de caridade visando atrair Mr. Freeze é realizado pela Wayne Enterprises, com Batman e Robin de vigília no lugar. Hera Venenosa decide seduzi-los, e Freeze invade o lugar para roubar diamantes – ele precisa de diamantes para manter seu traje de contenção funcionando. Ele é capturado e enviado para uma prisão de câmara no Asilo Arkham, mas escapa com a ajuda de Hera Venenosa e Bane. Robin, seduzido por Hera começa a se revoltar contra Batman. Hera desliga o suporte de vida de Nora, acusando Batman de ter cometido a ação, para convencer Freeze a tentar destruir Gotham. Hera então prepara uma armadilha para Robin, na tentativa de envenená-lo com um beijo. Quando ele não cede aos seus encantos (usando protetores de borracha nos lábios), Hera o aprisiona, e também subjuga Batman quando ele chega para salvar o parceiro. Então Barbara, agora fantasiada com um traje especial de Batmoça (projetado pelo próprio Alfred, que sabia da inteligência e capacidade de Barbara), aparece e luta contra Hera, eventualmente a derrotando.

Batman, Robin e Batmoça decidem ir atrás de Freeze juntos. No momento em que chegam no local onde Freeze e Bane estão, Gotham é completamente congelada. Robin e Batmoça enfrentam Bane e o derrotam, enquanto Batman e Freeze lutam entre si, com Batman vencendo. Batmoça e Robin descongelam Gotham usando satélites que refletem a luz do sol. Batman então mostra a Freeze uma gravação de Hera admitindo que matou Nora, ao mesmo tempo em que admite que a dupla dinâmica conseguiu chegar a tempo e restaurar o suporte de vida da esposa de Freeze para que ele pudesse terminar a sua pesquisa em Arkham. Batman pede a Freeze a cura que ele criou para a primeira fase da doença Síndrome de MacGregor para Alfred; Freeze perdoa Batman, dando-lhe o remédio que ele havia desenvolvido. O filme termina com Hera Venenosa presa em Arkham e com o vingativo Freeze como seu companheiro de cela. Alfred é finalmente curado, e Barbara é aceita como parte do time de combatentes do crime.

Durante as filmagens de Batman & Robin, a Warner Bros ficou impressionada, levando-os a contratar imediatamente Joel Schumacher para retornar como diretor em uma continuação. No entanto, o escritor Akiva Goldsman, que trabalhou em Batman Forever e Batman & Robin, com Schumacher, recusou a chance de escrever o roteiro. No final de 1996, a Warner Bros contratou Schumacher e Mark Protosevich para escreverem o roteiro de um quinto filme do Batman. O lancamento projetado foi para meados de 1999 e a data foi anunciada. O projeto foi intitulado de Batman Triunphant, o roteiro de Protosevich apresentava o Espantalho como o vilão principal. Através do uso de sua toxina do medo, ele ressuscitaria o Coringa como uma alucinação na mente do Batman. Arlequina apareceria como uma personagem coadjuvante, descrita como a filha do Coringa. George Clooney e Chris O’Donnell foram definidos para repetir seus papéis como Batman e Robin. No entanto, quando Batman & Robin recebeu críticas negativas e não positivas como seus antecessores, a Warner Bros não tinha mais certeza sobre seus planos para o Batman Triuphant. O estúdio decidiu que era melhor supor um filme em live-action do Batman do Futuro e uma adaptação da revista Batman: Ano Um de Frank Miller. A Warner então avançava um projeto com qualquer idéia lhes convinham mais. Schumacher sentiu que “devemos à cultura do Batman um filme realista. Eu iria voltar para o básico e fazer um retrato negro do “Cavaleiro das Trevas”. Ele se aproximou da Warner Bros para dirigir Batman: Year One, em meados de 1998, mas eles estavam mais interessados ​​na contratação de Darren Aronofsky. Aronofsky e Frank Miller desenvolveram um roteiro de Year One com Aronofsky para dirigir, mas acabou sendo cancelado. Christopher Nolan acabou sendo contratado para dirigir o próximo filme do Batman em janeiro de 2003, resultando no Batman Begins (2005) que reiniciou a franquia, mas desse eu vou falar em outra oportunidade. Obrigado por acompanhar até aqui e aguardem as próximas postagens! 😉

Filme de hoje: O Homem de Aço (2013)

Henry Cavill

Henry Cavill

Nota: se você procura pelos filmes clássicos do Super-Homem, clique neste link.

Em 2013, a Marvel já havia se consagrado como uma grande produtora de filmes ao lançar “Vingadores”, filme que reunia cinco dos seus maiores heróis e que foi um sucesso estrondante – a terceira maior bilheteria mundial (perde apenas para Titanic e Avatar) de toda a história do cinema – Falarei de Vingadores em outra postagem. Era hora da DC dar o troco. E deu. Com a ajuda de Crhistopher Nolan (aquele que havia feito a nova trilogia do Batman – também a citarei em postagens futuras), o roteirista David S. Goyer resolveu rebootar a história do Super-Homem, colocando-o em um contexto moderno, mas sem perder seus valores de justiça que vêm desde 1938. E assim surgiu “Man of Steel” (título em inglês), um filme que foi (ao menos em minha opinião) muito melhor que a maioria dos filmes da Marvel. Diria mais, diria que foi melhor até que os filmes clássicos e – com certeza – melhor que aquele fracasso intitulado Superman Returns. Aqui vemos o Super-Homem de verdade, dando porrada em vilões de verdade – chega de um certo carequinha milionário infernizando nosso herói, cuja imagem está mais que desgastada – mas nada impede que o tal carequinha apareça em futuras continuações. Sim senhora e senhores – vai ter uma continuação. E adivinhem quem vai participar? Batman! Mulher- Maravilha! (ao que parece virá um filme da Liga da Justiça por aí – invejinha de Vingadores? talvez seja).

Assisti esse filme no cinema (é o primeiro filme da minha vida que eu vejo em 3D) logo que estreou. Impossível conter o queixo ao sair da sala (acho que só me senti assim quando assisti ao Homem-Aranha (o verdadeiro de 2002, não a cópia genérica). A história emociona. Os efeitos impressionam! Tudo muito perfeito! Estava mais que na hora de rebootar a história do Super-Homem – já que Superman Returns não era um reboot, mas uma continuação dos filmes clássicos.

E o elenco então? de primeira! Henry Cavill fez com o Super o que Brandon Routh nunca conseguiu! Chegou em pé de igualdade com o eterno Christopher Reeve, não digo que o superou porque… bem, Reeve é insuperável! Em muitas cenas, Cavill nos faz lembrar de um outro ator que também interpretou o Super: Tom Welling, de Smallville. Com Kevin Costner e Diane Lane como os Kents (pais adotivos de nosso herói), e Ayelet Zurer (de Anjos e Demônios) e Russel Crowe (esse último roubou a cena) como os pais biológicos do Super, impossível não se emocionar. A dublagem brasileira também não fica atrás. A voz de Guilherme Briggs (que já havia dublado o Super no desenho animado da Liga da Justiça) combinou direitinho com a atuação de Cavill. E Sylvia Sallusti mostrou que é especialista em dublar mocinhas inocentes (inocentes?) ao emprestar a sua voz para Lois Lane (ela também dubla Mary Jane nos filmes do Homem-Aranha, só pra citar).

Muito bem, contemos o filme: O planeta Krypton enfrenta uma iminente destruição por causa de seu núcleo instável, resultado de anos esgotando os recursos naturais do planeta. O conselho governante é deposto pelo comandante militar General Zod (Michael Shannon) e seus seguidores em um golpe militar. O cientista Jor-El (Russell Crowe) e sua esposa Lara (Ayelet Zurer) lançam seu filho recém nascido, Kal-El, em uma nave espacial para a Terra logo depois de infundir suas células com os códigos genéticos de toda espécie kryptoniana. Depois de Zod matar Jor-El, ele e seus seguidores são capturados e banidos para a Zona Fantasma. Entretanto, eles são libertados quando Krypton explode.

Michael Shannon faz o papel do vilão do filme: O General Zod.

Michael Shannon faz o papel do vilão do filme: O General Zod.

Russel Crowe é Jor-El

Russel Crowe é Jor-El

Ayelet Zurer é Lara.

Ayelet Zurer é Lara.

A nave de Kal-El cai em Smallville, uma pequena cidade do Kansas. Ele é criado como o filho adotivo de Jonathan (Kevin Costner) Martha Kent (Diane Lane), que lhe dão o nome de Clark. Sua fisiologia kryptoniana lhe concede habilidades sobrehumanas na Terra, que instantaneamente lhe causam confusão e ostracismo. Porém, ele aos poucos aprende a controlar seus poderes para ajudar os outros. Jonathan revela ao Clark adolescente que ele é um alienígena, aconselhando-o a não usar seus poderes publicamente por temer que a sociedade o rejeite.

Kevin Costner e Diane Lane encarnaram Jonathan e Martha Kent, os pais adotivos do Super.

Kevin Costner e Diane Lane encarnaram Jonathan e Martha Kent, os pais adotivos do Super.

Após a morte de Jonathan (desnecessária eu diria, a cena onde Jonathan morre. Não sei se é porque eu cresci assistindo a série Lois&Clark, onde Jonathan é velhinho e vivo, mas nunca concordei com esse negócio do Jonathan morrer, pra você ter uma idéia, Smallville acabou pra mim quando isso aconteceu – e eu digo que a cena é desnecessária porque o velho Kent simplesmente recusou que Clark o salvasse, simples assim “prefiro morrer a ver você usando seus poderes”). Muito bem, após a morte de Jonathan o adulto Clark passa vários anos tendo uma vida nômade, trabalhando em diferentes lugares e com nomes falsos, salvando pessoas em segredo enquanto tenta lidar com a perda de seu pai adotivo. Nessa primeira parte do filme o tempo é psicológico, ou seja, ele vai e volta no tempo várias vezes, então, se piscar, o espectador se perde. Clark eventualmente se infiltra na investigação do Exército dos Estados Unidos sobre uma nave espacial encontrada no Ártico – que ele suspeita que seja de seu planeta natal. Quando entra na nave, ele consegue se comunicar com a consciência preservada de Jor-El na forma de um holograma. Jor-El revela suas origens, sua história, a destruição de Krypton e conta a Clark que ele foi mandado à Terra para levar a esperança de um futuro melhor para a espécie humana. Lois Lane ( a “encantada” Amy Adams), uma jornalista do Planeta Diário enviada para escrever uma história sobre a descoberta, se infiltra na nave depois de seguir Clark e é salva por ele dos mecanismos de defesa. Perry White (Laurence Fishburne), editor de Lois, rejeita sua história de um salvador “sobrehumano”, então ela rastreia Clark até o Kansas com a intenção de escrever um exposé. Mas ela volta atrás e decide manter o segredo dele quando o encontra e ouve sua história.

Amy Adams é a mocinha do filme: Lois Lane. (só eu que acho ela um pouco parecida com a Kirsten Dunst?)

Amy Adams é a mocinha do filme: Lois Lane.
(só eu que acho ela um pouco parecida com a Kirsten Dunst?)

Laurence Fishburne faz o papel de Perry White, o editor do jornal Planeta Diário.

Laurence Fishburne faz o papel de Perry White, o editor do jornal Planeta Diário.

Enquanto isso, Zod e sua equipe vasculham outros mundos que Krypton havia colonizado. Entretanto, nenhuma das colônias sobreviveu após a destruição do planeta. Zod e os outros captam um sinal de socorro enviado da nave kryptoniana encontrada na Terra. Ele chega e – de forma dramática – exige que a humanidade entregue Kal-El, que ele acredita possuir o código genético, ou o planeta será destruido. Clark concorda e se revela aos militares, se entregando a eles – e os militares entregam ele e Lois para Faora (Antje Traue), o braço direito de Zod (Lois? Sim. Exigência do General kryptoniano). Zod revela que planeja terraformar a Terra em uma nova Krypton e usar o código genético para repopular o planeta com kryptonianos geneticamente modificados. Este processo acabaria por levar a extinção da espécie humana por causa das inumeras mudanças ecológicas. Clark e Lois escapam da nave de Zod com a ajuda do holograma de Jor-El, derrotando Faora e outro kryptoniano e convencendo os militares que ele é um aliado. Zod lança sua máquina de terraformação e inicia o processo em Metrópolis e no Oceano Índico, aumentando a massa e atmosfera da Terra.

Clark, agora chamado de “Superman” – coisa que eu nunca concordei, chamá-lo de “Superman”na dublagem, afinal, aqui no Brasil é “Super-Homem” – destrói a máquina de terraformação enquanto os militares usam a nave que o trouxe a Terra em um ataque áereo contra a nave de Zod em Metrópolis, enviando suas forças de volta para a Zona Fantasma. Superman também destrói a nave carregando a Grande Câmara, a principal tecnologia para recriar a espécie kryptoniana com o código genético. Apenas Zod permanece vivo, enfrentando Superman em uma destrutiva batalha por Metropolis usando seus poderes recém desenvolvidos – ele descobrira que o Sol amarelo de nosso planeta dá poderes sobre-humanos a kryptonianos . Quando Zod tenta matar civis encurralados em vingança por sua derrota, Superman é forçado a matá-lo – literalmente quebrando seu pescoço. Tá, confesso que nunca imaginei que o Super-Homem fosse capaz de matar, mas ele não teve outra escolha. Algum tempo depois, ele avisa o governo que se quiserem ajuda terá que ser nos termos dele. Para criar um pseudônimo para ter acesso a situações de perigo sem levantar suspeitas, Clark arruma um emprego como repórter do Planeta Diário, com seu famoso par de óculos. No jornal, Lois cumprimenta Clark e lhe diz “bem vindo ao Planeta!”

Depois desse sucessão só nos resta aguardar ansiosamente pela continuação, que como eu disse acima, terá a participação de outros heróis da DC. Vamos ver no que isso vai dar, né?

Ben Affleck foi escolhido para fazer o papel do Batman na continuação de "O Homem de Aço"

Ben Affleck foi escolhido para fazer o papel do Batman na continuação de “O Homem de Aço”

Gal Gadot foi a escolhida para o papel da Mulher-Maravilha.

Gal Gadot (da série Velozes e Furiosos) foi a escolhida para o papel da Mulher-Maravilha na continuação de “O Homem de Aço”, será que vem um filme da Liga da Justiça por aí?